– No cálculo do ICMS devido, a título de substituição tributária, poderá ser deduzido o valor resultante da aplicação da alíquota interna ou interestadual sobre o valor da operação ou prestação própria do substituto tributário;

– No Simples as micro e pequenas indústrias geram créditos do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços – ICMS, tendo como limite, o imposto efetivamente devido por elas.

Feitas as observações acima, temos então que nas operações realizadas pelas micro e pequenas indústrias, quando não sujeitas à substituição tributária, gera-se para o adquirente um crédito de ICMS que poderá variar entre 1,25% até o máximo de 3,95% da operação. Destaca-se que, como regra geral as empresas de débito e crédito proporcionam um crédito bem superior, uma vez que alíquota geral do ICMS é de 18% nas operações internas e de 12% ou 7% nas operações interestaduais.

Diante deste fato, desde a implantação do Simples Nacional as indústrias nele enquadradas se veem compelidas a conceder descontos relativos às diferenças de créditos de ICMS, para colocar seus produtos no mercado, o que lhes tira o diferencial oferecido pelo Sistema Simplificado de Tributação.

Por outro ângulo, nas operações com a aplicação da substituição tributária, as micro e pequenas indústrias se colocam em pé de igualdade com as demais empresas, pois, apesar da regra de cálculo ser a mesma para os dois casos, as empresas do Simples contam com o diferencial de deduzir integralmente o ICMS da operação própria e não apenas os valores efetivamente recolhidos ao Sistema e, que, como dissemos acima, variam de 1,25% até o máximo de 3,95%.

Destarte, considerando estas premissas, temos que a aplicação da substituição tributária torna a operação mais vantajosa para as micro e pequenas indústrias proporcionando-lhes um diferencial concorrencial em relação às grandes empresas.

É importante frisar que a hipótese aqui exposta é favorável apenas para os substitutos tributários enquadrados no Simples Nacional. Outras questões ainda precisam ser revistas quando se fala da aplicação da Substituição Tributária, dentre elas:

– O custo do tributo arcado pela empresa na inadimplência de clientes;

– Os custos das obrigações acessórias originadas pela ST;

– O desencaixe financeiro no fluxo de caixa da empresa em decorrência do exíguo prazo de recolhimento do ICMS/ST.

De toda sorte, conclusivamente, podemos inferir que a aplicação da substituição tributária para as micro e pequenas indústrias, não pode ser considerada como a grande vilã deste segmento industrial; pelo contrário, como demonstramos acima, tende a ser até benéfica em termos concorrenciais, embora demande alguns ajustes.

Marcelo Malagoli da Silva

Advogado tributarista.

Fonte: FISCOSOFT

Veja Também

Quando o ISS Deve ser Retido? A retenção deverá ocorrer também nas hipóteses de: O ISS deve ser retido na execução, por administração, empreitada ou subempreitada, de obras de c...
Remessa ao exterior fica mais cara com cobrança de... Em mais uma ação para elevar sua arrecadação durante o período de crise, o governo federal decidiu não renovar a isenção de Imposto de Renda para reme...
O início do fim da guerra fiscal A guerra fiscal do ICMS é assunto que percorre os tribunais há cerca de 30 anos. Trata-se de questão federativa delicada, que coloca em lados opostos ...
Fazenda pedirá que base de cálculo do PIS/Cofins s... O impacto da retirada do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), administrado pelos estados, da base de cálculo de dois tributos ...
Orientação para o MEI Sebrae alerta que a formalização por essa modalidade somente é realizada pelo Portal do Empreendedor. Empreendedores do país têm feito denúncias a Re...
Whatsapp lança aplicativo para pequenas e médias e... O WhatsApp anunciou no dia 18, o lançamento do WhatsApp Business, um novo aplicativo voltado para pequenas e médias empresas. O app traz uma série de ...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta