ortar despesas com planejamento e assertividade nem sempre é uma tarefa fácil. O Sebrae preparou dicas práticas que podem ser aplicadas imediatamente

O isolamento social imposto pela crise do coronavírus fez com que muitas empresas sofressem uma perda expressiva do seu volume de vendas ou tivessem que fechar as portas provisoriamente, afetando diretamente o fluxo de caixa.

Diante deste cenário, a principal preocupação dos donos de pequenos negócios é como manter a saúde das suas empresas. Cortar gastos com planejamento e efetividade nem sempre é uma tarefa fácil.

Pensando nisso, o Sebrae elaborou cinco dicas práticas, criadas por analistas e consultores especializados em finanças e negócios. Confira:

1- Dívidas
É hora de renegociar todos os pagamentos da empresa. Caso tenha alguma conta pendente, este é o momento oportuno para entrar em contato com os credores e verificar as novas condições de pagamento.

O Governo Federal tomou algumas medidas para ajudar empresários durante a pandemia. Algumas delas foram a prorrogação do pagamento de dívidas e a ampliação do acesso ao crédito do BNDES.

Além disso, instituições bancárias aumentaram por mais 60 dias o prazo do pagamento de dívidas e empréstimos para micro e pequenas empresas. Isso significa que você tem um tempo maior para organizar as suas despesas.

2 – Produtos
Reavalie seu estoque, analise o que tem vendido mais e o que tem saído menos. Com isso, irá entender o que deve ser mantido e quais podem não ser renovados, pois não estão gerando receita. Mantenha o que realmente faz uma diferença positiva no seu caixa.

Vale lembrar que um estoque variado funciona apenas quando o consumidor tem um poder maior de compra ou quando está mais disposto a conhecer novos produtos, o que não acontece durante uma crise.

3 – Redes sociais
Estar no ambiente online é o novo normal, porém veja se as publicações impulsionadas estão dando o retorno esperado. Se o valor gasto com anúncios em redes sociais não está prosperando, corte esse gasto.

Invista em outras estratégias gratuitas, como publicações diárias, relacionamento direto com cliente com respostas personalizadas e otimização dos posts com palavras mais buscadas no Google. Lembre-se que é o momento de trabalhar com qualidade, e não com quantidade.

4 – Bancos diversos
Você tem apenas um CNPJ e várias contas bancárias? Avalie se vale a pena. Afinal, todo banco cobra taxas e, na maioria das vezes, elas são despesas que podem ser facilmente cortadas.

A sugestão é ter relacionamento com apenas um ou dois bancos, já que isso facilita acompanhar todas as taxas e tarifas cobradas e até mesmo evitar gastos. Os bancos digitais apresentam vantagens nesse sentido. Além de taxas reduzidas ou nulas, são seguros e oferecem atendimentos em diferentes canais.

5 – Investimentos
Você tem algum tipo de investimento? É bom reduzir os aportes e pensar em criar uma reserva de emergência. Não é o caso de deixar de lado as suas aplicações, mas sim de poder contar com uma liquidez maior para quando precisar cobrir alguma emergência.

Fonte: revistapegn.globo.com

Veja Também

Projeto com aval do governo libera uso de terceiri... As centrais sindicais defendem que o projeto proíba a contratação de terceiros na chamada atividade-fim (aquela considerada a principal de uma empresa...
Empresas terão sigilo em defesa trabalhista Com a digitalização dos processos, advogados dos trabalhadores passaram a acessar arquivos da parte contrária pela internet, em vez de obtê-los na aud...
PORQUE O E-SOCIAL NÃO VAI ACABAR Com o lançamento da GFIP em Janeiro de 1999 e com a consequente obrigatoriedade de utilização do programa SEFIP, a promessa era de que a no...
Profissional Autônomo, Liberal, MEI e ME – Qual ca... Autor: Alberto Neto e Andressa Fernandes Fonte: Contabilidade na TV Link: http://contabilidadenatv.blogspot.com.br/2016/06/profissional-autonomo-lib...
Contribuinte deverá abater individualmente gasto c... A partir de agora, o Informe de Rendimentos fornecido pelo empresa ao trabalhador, que contém também as despesas, deverá discriminar o nome de cada de...
Fraude ou erro no reconhecimento da receita? Normatizado pela Resolução CFC 1.412/2012, cuja base assenta-se no Pronunciamento Técnico CPC 30 (R1) (International Accounting Standards – IAS 18 do ...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta