Empreender é uma tarefa difícil. Além de todos os percalços envolvidos na atividade empresarial, alguns próprios do modelo econômico brasileiro, há ainda o risco patrimonial. Não é coincidência que uma em cada quatro empresas não sobrevive ao segundo ano de mercado, segundo informações do Sebrae. Em muitos casos, o empreendedor amarga não só a frustração do insucesso, mas também o prejuízo por um investimento mal calculado. Por isso, planejamento é fundamental. Para iniciar um novo negócio com segurança jurídica e patrimonial, o empreendedor deve seguir cinco passos:

1) Construção do modelo de negócio: a criação do modelo do empreendimento deve responder questões básicas, tais como: O que faremos? Para quem? Como faremos? Quando faremos? Quanto custará? Existem inúmeras ferramentas interessantes à disposição para superar esta primeira etapa, como é o caso do conhecido Modelo Canvas.

2) Análise de viabilidade: essa importante fase implica em verificar os tributos incidentes na atividade para escolher o melhor sistema disponível (lucro real, presumido, simples etc.), colocar o planejamento em um fluxo de caixa projetado e aplicar instrumentos de análise econômica e financeira.

3) Definição de identidade e posicionamento: criar a identidade da empresa, definindo missão e valores, é de extrema importância para ter direcionamento.

4) Formatação da estrutura jurídica: trabalhar as cláusulas do ato constitutivo (contrato social ou estatuto) da empresa é vital, em especial sob dois aspectos. Entre eles, a escolha da forma jurídica adequada (empresário individual, Eireli, sociedade empresária etc.) e clareza das regras de entrada e saída da empresa. Estes dois conceitos permitem preservar o patrimônio e blindar o negócio de potenciais desentendimentos dos sócios, quando se opta pela busca de parcerias. Mapear os principais contratos, criar os modelos e a respectiva agenda é outro capítulo relevante do ponto de vista jurídico e que previne riscos.

5) Acompanhamento: depois de colocar o planejamento em prática, é importante retomar o que havia sido estabelecido inicialmente de tempos em tempos. Revisar a ideia inicial e corrigir rotas é um dos segredos do sucesso.

Fonte: www.jornaldocomercio.com

Veja Também

Dinheiro tem, mas crédito não chega aos pequenos n... Desde os primeiros momentos da pandemia, quando o governo federal anunciou medidas emergenciais para socorrer pequenas empresas e MEIs ...
A PEC dos empregados domésticos – Como lidar... Aliada à limitação de jornada, também a obrigação de concessão de intervalo para descanso e refeição de pelo menos 1 hora e máximo de 2 horas.Com isso...
As regras do trabalho temporário A contratação de mão-de-obra temporária deve observar regras para evitar que as empresas sofram mais tarde autuação do Ministério do Trabalho e Empr...
O e-social foi adiado. Quais os impactos para a su... O novo cronograma terá que ser fixado por meio de uma resolução do Comitê Diretivo do eSocial. E os técnicos esperam por mudanças pequenas e pontuais....
Terceirização é lícita se não há subordinação ao t... Profissionais que atuam em serviços de vigilância não têm vínculo direto de emprego com a empresa contratante. Assim, fundamentado no item III da Súmu...
Cyber Segurança e os dados: O que fazemos de errad... O que é cyber segurança? Cyber segurança ou segurança digital é o conjunto de ações, políticas e procedimentos com o propósito de proteger as info...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta