O período de declaração de Imposto de Renda chegou ao seu último mês – 30 de abril é o prazo limite da Receita Federal. Além das despesas médicas e de educação, o declarante e seus dependentes precisam tomar alguns cuidados ao preencher a declaração, como ao inserir informações sobre investimentos.

Os valores investidos devem ser declarados, um a um, na aba Bens e Direitos, com seus respectivos códigos, conforme indica o programa da Receita Federal. O banco ou a corretora deve disponibilizar essa informação de forma discriminada, portanto é só transcrever esses dados para o formulário do IR na hora de preencher a declaração.

“De uma forma geral, é muito fácil declarar investimentos. Basta copiar as informações que constam no informe fornecido pela instituição financeira”, resume Sandra Blanco, consultora da Órama, que alerta para a obrigatoriedade em prestar essas informações, tanto na versão simplificada quanto na completa da declaração.

AÇÕES

Quem investiu no mercado de ações, precisa informar a quantidade de papéis e o valor total da compra. Esses dados deverão ser preenchidos no campo Bens e Direitos. O montante pago deverá constar no campo “valor”. Quem comprou diferentes tipos terá de declará-los separadamente.
A venda de ações no valor até R$ 20 mil por mês está isenta, mas os ganhos de capital devem ser declarados como Rendimentos Isentos e Não Tributáveis. Se passar desse valor, é preciso pagar a alíquota de 15%. Detalhe importante: o imposto não é retido na fonte, por isso o investidor precisará calcular o que for devido.

O pagamento do imposto devido é feito via Darf (Documento de Arrecadação de Receitas Federais) até o final do mês posterior ao da operação de venda. Os ganhos de capital com ações são declarados na seção Renda Variável.

Quem aplicou em fundos de investimento também deve declará-los na ficha Bens e Direitos. A recomendação é para preencher o campo com a informação que consta no Informe de Rendimentos e complementar a descrição como o nome da aplicação e a quantidade de cotas adquiridas. É obrigatório identificar o produto pelo CNPJ.

O caminho é o mesmo para os investidores em Tesouro Direto. A recomendação é que seja feito o lançamento de cada título, sem deixar de informar a quantidade, a data de aplicação, o CNPJ e o agente emissor. A regra vale também para quem optou em 2017 por aportes em renda fixa, debêntures,
LCA e LCI. As informações devem ser preenchidas na ficha Bens e Direitos.

PREVIDÊNCIA PRIVADA

O passo a passo é diferente para aqueles que aplicaram em previdência privada. No caso do PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), as contribuições realizadas durante o ano para o plano não devem ser apontadas em Bens e Direitos, mas sim em Pagamentos Efetuados. No caso do modelo completo,
as regras da Receita permitem abater até 12% do rendimento total tributável.

Quem optou pelo VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre), deverá informar em Bens e Direitos qual é o saldo. Mas os aportes não são dedutíveis.
O rendimento, tanto no PGBL quanto no VGBL, será declarado apenas se houve resgate em 2017, mas estará detalhado no Informe de Rendimentos enviado pela seguradora. A tributação de Previdência Privada depende da tabela que o declarante optou na contratação do plano (regressiva ou progressiva).

POUPANÇA

Aqueles que investem em caderneta de poupança devem adicionar mais um item em Bens e Direitos, mas como esse investimento não tem incidência de IR, os ganhos apurados em 2017 entram na ficha Rendimentos Isentos e Não Tributáveis.

Fonte: Gazeta Online

Veja Também

Leão aperta cerco a notas fiscais frias Profissionais liberais ficam obrigados a informar ao fisco já neste ano os CPFs e valores pagos por seus clientes A Receita Federal resolveu endure...
Casal pode partilhar bens sem separação É possível mudar o regime de bens do casamento, de comunhão parcial para separação total, e promover a partilha do patrimônio adquirido no regime anti...
Dispensa por justa causa e redes sociais Que a internet e as redes sociais trazem benefícios à sociedade, todos sabemos. Por meio delas é possível quebrar barreiras físicas, aproximando pesso...
Motivação de equipes é o grande desafio para empre... As empresas que perceberam isso estão procurando adotar técnicas diferenciadas para manter a produtividade de forma quantitativa e qualitativa. A espe...
A culpa é do contador Esse triste episódio vem ressaltar como responsabilidades são facilmente atribuídas aos profissionais da contabilidade. Sem conhecer detalhes, não vam...
MEI ganha aplicativo que ajuda na gestão do negóci... Receita Federal lançou programa que permite que o Microempreendedor Individual emita boleto e verifique seus pagamentos pelo celular Os microempreend...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *