É quase que impossível administrar uma empresa sem captar recursos de terceiros, entretanto, é de extrema importância mensurarmos o montante desses recursos e principalmente o efeito deles no resultado da empresa.
A “parceria” banco / empresa faz parte da cultura empresarial brasileira, operações de credito são realizadas constantemente e muitas vezes com custos altíssimos que não são bem interpretados pelos empresários (isso é muito comum). Conhecimentos básicos de matemática financeira poderiam com certeza trazer benefícios no momento da captação, porém, o volume de atividades e de “incêndios” para serem apagados no decorrer do dia, impedem a realização de atividades para agregar conhecimentos aos empresários.
Nesse momento a assessoria realizada por profissionais qualificados pode ser considerada um grande benéfico a empresa, pois a orientação das melhores linhas de créditos disponíveis, prazos, apoio na negociação, entre outras operações podem com certeza trazer ganhos a empresa ou mesmo minimizar perdas com as operações financeiras.
Há empresas que atravessam momentos delicados, seja em função da crise que atravessamos e estamos prestes a sair, ou mesmo por outras razões, tem seu endividamento bancário relativamente alto, e essas operações realizadas de forma repetitivamente para manter a “empresa viva” acabam por danificar por completo os resultados da empresa, essa “bola de neve” como é comumente chamada, vai se consolidando ao longo de meses e anos, ate que num determinado momento, faz com que a empresa “quebre” ou tenha que sentar-se a mesa par uma negociação, seja ela administrativamente (que entendo ser a melhor, de menor custo e mais rápida) ou mesmo jurídica, por meio de advogados buscando a Recuperação Judicial, que além de cara financeiramente tem um custo administrativo e emocional altíssimo, além de ter a eficácia contestada por muitos no meio empresarial, visto que a grande maioria das empresas acabam por encerrar suas atividades.
Como evitar todo esse pesadelo?
Não é fácil, mas a solução é acompanhar mensalmente os resultados empresariais de forma profissional, definindo ações para corrigir pontos identificados como graves de forma contundente e procrastinando-os.
O acompanhamento dos resultados empresariais, e nesse caso, o efeito do custo financeiro nesses resultados, devem requerer ações que resultem na reestruturação da empresa, visando equilibrar suas receitas e despesas, com isso minimizar a necessidades de capital de terceiros e com isso diminuindo mensalmente seus efeitos nos resultados.
É de extrema importância que decisões de gestores e diretores empresariais sejam definidas para esse tipo de controle, ações que retardam essa decisão para quando os créditos bancários são cortados, tendem a comprometer o patrimônio empresarial e também dos sócios, além da continuidade da empresa.
Assim como consultamos um médico quando estamos com um sintoma de falta de saúde e os remédios caseiros já não fazem mais efeito, nessa hora uma empresa de Consultoria e Assessoria Empresarial poderá ser sim a melhor alternativa para se iniciar o “tratamento” que pode ser resolvido muito rápido, ou não, dependendo da gravidade em que se encontra o “paciente”.
Vale pensar!!!!

Fonte: www.administradores.com.br

Veja Também

Gestão ou Administração: qual é a diferença? Gestão não vem de Gerar ou Gestação. Administrar não é levar a termo nove meses um projeto, como muitos acreditam. Gestão vem de Gesto, Gesticulaç...
Receita federal exige comprovantes hábeis de todas... Lembramos que, em caso de Fiscalização, as operações financeiras praticadas pelas pessoas físicas e jurídicas devem ser comprovadas mediante a apresen...
Como e por quanto tempo devo guardar documentos na... O ambiente empresarial brasileiro está envolto cada vez mais em processo de relacionamento eletrônico entre as instituições que o compõem. Não se imag...
TJ/SP autoriza uso de precatório para garantir pag... Uma empresa de Valhinhos, interior de São Paulo, obteve autorização da Justiça para oferecer como garantia em um processo de execução fiscal – que cob...
USO DE CELULAR CORPORATIVO NÃO É SOBREAVISO SE NÃO... A utilização do aparelho celular fornecido pela empresa para atender cliente não caracteriza sobreaviso quando o empregado não é impedido de se deslo...
19 despesas para deduzir do Imposto de Renda SÃO PAULO, 11 DE MARÇO DE 2016 ÀS 19:00 POR REJANE TAMOTO Mas saiba também o que não pode ser abatido na declaração, que leva muitos contribuintes pa...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta