De acordo com Alexandre Fialho, presidente da área de liderança e consultoria de talentos da Korn/Ferry International, empresa responsável pela pesquisa, os dados são especialmente preocupantes no Brasil. Isso porque o país apresenta altas taxas de crescimento nos negócios, o que faz com que a oferta de talentos não seja suficiente para suprir a demanda. “Quem está crescendo não investe em desenvolvimento de pessoas porque não pode tirá-las do operacional. Com isso, negligencia o resultado de longo prazo”.

Foi graças ao desafio de crescer e ao mesmo tempo formar sucessores que a Natura resolveu rever, no final de 2009, seu programa de desenvolvimento de talentos. O resultado foi a criação do escritório de liderança, que já nasceu com a meta de preparar profissionais para ocupar, no futuro, 90 posições críticas da empresa. A área foi além e está formando um excedente de 20%. “Estamos conciliando esse projeto com um crescimento médio anual de 23% a 25%. Sem as pessoas prontas, correríamos o risco de comprometer a imagem e o negócio”, afirma Denise Asnis, gerente do escritório de liderança da Natura.

Ela destaca que as atenções não são totalmente voltadas aos chamados “high potentials”, talentos com grande potencial para ocupar cargos na alta liderança. Há cerca de quatro anos, a Natura concedia remuneração e treinamentos diferenciados para esses profissionais. “Mudamos esse processo e abrimos oportunidade de treinamento a todos que manifestarem interesse”, afirma Denise. Ao mesmo tempo, ela diz que a remuneração foi vinculada à entrega, mas “um talento naturalmente se destaca nesse quesito”. Essa mudança de visão também fez com que a companhia criasse o Cosmos, programa que deve treinar periodicamente, a partir deste ano, 600 profissionais da Natura no Brasil, América Latina e França.

Alexandre Fialho, da Korn/Ferry, acredita que, além de saber identificar os talentos potenciais, as empresas devem se preocupar em retê-los, mas sem deixar de lado quem não é necessariamente um futuro grande líder. “São profissionais que devem percorrer caminhos diferentes e a companhia precisa olhar para todos”, diz.

O levantamento mostra que a preocupação com o futuro pode estar, aos poucos, mudando a mentalidade do empresário brasileiro. Apesar da escassez de ações relativas à sucessão, 100% dos entrevistados acham importante planejar a troca de líderes. “Sem um plano de sucessão, as empresas promovem as pessoas erradas para os cargos de liderança e têm grandes prejuízos com isso”, afirma.

Fonte: Valor Econômico

Veja Também

Novas regras para participação nos lucros impõem r... A diferença de contribuição pode ser bastante expressiva conforme um estudo feito por Leticia. Ela exemplifica com um empregado que ganha R$ 10 mil me...
Obrigatoriedades fiscais: o que muda nos próximos ... Sabemos que a documentação fiscal eletrônica afeta contadores e empresários pelo Brasil todo, e que essas são obrigatoriedades fiscais que estão em co...
Empresas têm até fim do mês para parcelar dívidas ... De acordo com o especialista em ICMS do Estado de São Paulo e consultor da Moore Stephens (empresa de auditoria e consutoria), Tiago de Castro Pinto, ...
Gestão do Conhecimento Estratégico Se ainda não pensou a respeito, melhor começar agora. Seu negócio pode depender isto para crescer e ser sustentável.Dois parágrafos que podem resumi...
O atendimento adequado em 13 passos Para as pequenas e médias empresas a importância do atendimento se torna ainda mais relevante, já que a marca de uma pequena empresa não é tão divulga...
Criança de 2 anos de idade terá restituição do IR ... Pais fizeram declaração em separado para o filho, que já tem CPF, para pagar menos Imposto de Renda BAURU - Uma criança de apenas dois anos de idad...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta