Um dos princípios da arquitetura é ter o ser humano como escala para tudo o que é fabricado, porém existem as diferenças inerentes de pessoa para pessoa em que os equipamentos por elas usados devem ser adaptados para proporcionar maior desempenho durante as suas atividades. Só que ainda existem no nosso meio, Empresas que não despertaram para esta possibilidade e obrigam seus colaboradores a trabalharem de forma sacrificada para terminar uma tarefa. Um exemplo bem simples e que vemos no nosso dia a dia é a falta de postura corporal de muitas pessoas que trabalham como caixas de banco ou de lojas e que independente de suas estaturas, são obrigadas a trabalharem com equipamentos que não se encaixam ao seu perfil. As Empresas devem dar condições adequadas às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho a ser realizado.

Outro caso comum e que vemos diariamente é o esforço excessivo e repetitivo de muitos trabalhadores, principalmente no que tange ao levantamento, transporte e descarga de materiais. De acordo com a Norma Regulamentadora 17 (NR17), transporte manual de cargas é todo transporte no qual o peso da carga é suportado inteiramente por um só trabalhador, compreendendo o levantamento e a disposição da carga, sendo assim, não será admitido o transporte manual de cargas por um trabalhador cujo peso seja suscetível de comprometer sua saúde e sua segurança, ou seja, essa tarefa deverá ser executada de forma que o esforço físico seja compatível com a sua capacidade de força. Ao contrário disso, nós estamos vendo e convivendo dia a dia com exemplos de empresas que sobrecarregam seus colaboradores com sobrepesos que chegam ao limite da exaustão. Outras ultrapassam limites de horas trabalhadas, preenchendo física e psicologicamente todos os espaços dos seus colaboradores, deixando-os sem tempo para outras atividades em suas vidas, inclusive mais tempo com sua família.

A qualidade de vida do trabalhador está diretamente ligada a sua atividade dentro da empresa e uma boa prática ergométrica permite a seu funcionário maior conforto e produtividade. Converse com seu colaborador, pergunte como está seu grau de satisfação, identifique as suas necessidades e trate-as de preenchê-las da melhor forma possível, afinal, um bom funcionário é o seu investimento a longo prazo. Essa é uma tendência das Empresas organizadas. A pergunta é mesmo essa: Ergonomia, a sua Empresa pratica?

Fonte: Infomoney

Veja Também

Débitos impedem entrada de empresas no Simples Nac... Na avaliação do gerente de políticas públicas do Sebrae, Bruno Quick, o problema evidencia as dificuldades vividas pelas micro e pequenas empresas, ag...
10 qualidades indispensáveis para um bom profissio... 1 - Capacitação técnica específica Esta continua sendo a principal e fundamental exigência. Se você não estiver apto a exercer bem a função que ple...
ECD e ECF: quais são as diferenças? O ano de 2015 foi de grandes expectativas para algumas novidades anunciadas ainda em 2014 na área da contabilidade, entre elas a Escrituração Contábil...
Desconto de CNPJ: carro com desconto também para M... Para requisitar o benefício, que chega a 30%, é necessário apresentar o contrato social da empresa; revenda só é permitida depois de um ano Além...
Ampliação do Simples Nacional – simplificaçã... As primeiras regulamentações do Simples Nacional, ou Supersimples, já saíram, elucidando quais serão os impactos para os novos setores que poderão ade...
Comunicação Interna incentiva integração de profis... Para o publicitário Ed Coelho, diretor de Arte da LINK Portal da Comunicação, empresa que presta serviços de comunicação integrada, “despertar o inter...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta