Um dos princípios da arquitetura é ter o ser humano como escala para tudo o que é fabricado, porém existem as diferenças inerentes de pessoa para pessoa em que os equipamentos por elas usados devem ser adaptados para proporcionar maior desempenho durante as suas atividades. Só que ainda existem no nosso meio, Empresas que não despertaram para esta possibilidade e obrigam seus colaboradores a trabalharem de forma sacrificada para terminar uma tarefa. Um exemplo bem simples e que vemos no nosso dia a dia é a falta de postura corporal de muitas pessoas que trabalham como caixas de banco ou de lojas e que independente de suas estaturas, são obrigadas a trabalharem com equipamentos que não se encaixam ao seu perfil. As Empresas devem dar condições adequadas às características psicofisiológicas dos trabalhadores e à natureza do trabalho a ser realizado.

Outro caso comum e que vemos diariamente é o esforço excessivo e repetitivo de muitos trabalhadores, principalmente no que tange ao levantamento, transporte e descarga de materiais. De acordo com a Norma Regulamentadora 17 (NR17), transporte manual de cargas é todo transporte no qual o peso da carga é suportado inteiramente por um só trabalhador, compreendendo o levantamento e a disposição da carga, sendo assim, não será admitido o transporte manual de cargas por um trabalhador cujo peso seja suscetível de comprometer sua saúde e sua segurança, ou seja, essa tarefa deverá ser executada de forma que o esforço físico seja compatível com a sua capacidade de força. Ao contrário disso, nós estamos vendo e convivendo dia a dia com exemplos de empresas que sobrecarregam seus colaboradores com sobrepesos que chegam ao limite da exaustão. Outras ultrapassam limites de horas trabalhadas, preenchendo física e psicologicamente todos os espaços dos seus colaboradores, deixando-os sem tempo para outras atividades em suas vidas, inclusive mais tempo com sua família.

A qualidade de vida do trabalhador está diretamente ligada a sua atividade dentro da empresa e uma boa prática ergométrica permite a seu funcionário maior conforto e produtividade. Converse com seu colaborador, pergunte como está seu grau de satisfação, identifique as suas necessidades e trate-as de preenchê-las da melhor forma possível, afinal, um bom funcionário é o seu investimento a longo prazo. Essa é uma tendência das Empresas organizadas. A pergunta é mesmo essa: Ergonomia, a sua Empresa pratica?

Fonte: Infomoney

Veja Também

Quais Créditos do PIS e COFINS são Admissíveis? A legislação do PIS e COFINS determina a possibilidade de créditos no regime não cumulativo em relação: A sistemática do PIS e COFINS não cumulativ...
Eleve a restituição ou reduza o imposto a pagar A negociação sobre o uso ou não do Ponto Eletrônico teria sido sinalizada pelo ministro do Trabalho, Carlos Lupi. ''A solução está em deixar que as pa...
Microempreendedor tem alternativas na hora de decl... O microempreendedor individual (MEI) se enquadra nas mesmas regras de qualquer pessoa física para declarar Imposto de Renda, mas separando receita e d...
Receita Federal nega pedido de adiamento de novo R... A Receita Federal não irá prorrogar o prazo de adesão ao chamado Refis da Copa, o novo programa de parcelamento de débitos tributários cujo acesso som...
Juiz mantém justa causa de trabalhador que registr... A justa causa, por ser a penalidade mais severa aplicável ao empregado, deve ser claramente comprovada. A justa causa, por ser a penalidade mais seve...
EFD-Social promoverá mudança cultural no dia a dia... Os arquivos digitais da folha de pagamento eliminarão os trabalhos feitos em papel e passarão a ser emitidos eletronicamente, formando assim um cadast...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *