O governo de Geraldo Alckmin (PSDB) apresentou um projeto de lei complementar na Assembleia Legislativa de São Paulo em que propõe dar uma “segunda chance” às empresas que apresentam algum tipo de desconformidade tributária, como por exemplo a sonegação de impostos, e reduz de forma significativa o peso das multas no processo de regularização tributária no Estado.

A proposição (PLC 25, de 2017), apresentada em 13 de setembro, prevê dar publicidade à conduta tributária das empresas, classificando-as em um ranking de acordo com o seu histórico de pagamento de impostos. A empresa que estiver bem classificada não poderá ser multada em uma ação de fiscalização e terá a chance de se regularizar antes de ser penalizada.

Em linhas gerais, firmada nos princípios do liberalismo econômico, a proposição do governo estadual incentiva a autorregularização das empresas e enfraquece o poder dos agentes de fiscalização.

Nesse sentido, vai ao encontro das ideias defendidas pelo Movimento Brasil Competitivo, que no final do ano passado foi anunciado como “parceiro” da Secretaria da Fazenda do Estado para fazer um diagnóstico e “aprimorar os processos de arrecadação, recuperação de créditos e gestão de serviços” da pasta.

“Não é que o agente fiscal não poderá fazer a fiscalização. Vamos avisar o contribuinte previamente e ele poderá não pagar a medida punitiva”, afirma o secretário-adjunto da Fazenda de São Paulo, Rogério Ceron. “O auto de infração e a multa acabam gerando um gargalo grande para o nosso contencioso tributário e isso vai parar no Judiciário”, diz.

Uma apresentação que resume as ideias do projeto pode ser vista na página da Secretaria Estadual de Fazenda, neste link. De acordo com o secretário-adjunto, atualmente 94% dos contribuintes paulistas pagam em dia o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), principal fonte de arrecadação do governo do Estado.

Alguns deputados estaduais críticos à proposta dizem que essa reforma tributária proposta em São Paulo pode desestruturar o sistema em vigor e trazer prejuízos ao Estado, inclusive com perda do poder de arrecadação.

Crítico à proposta, o Sinafresp (Sindicato dos Agentes Fiscais de Rendas do Estado de São Paulo) protocolou ofício na Assembleia Legislativa questionando a proposta e pedindo ampla discussão na Casa. Uma audiência pública já foi requisitada e deve ser convocada pela Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento da Assembleia.

Fonte: R7

Veja Também

4 pontos que devem ser checados antes de comprar u... A intenção deste artigo não é esgotar os pontos a serem examinados, até porque isto dependerá do tipo de empresa a ser adquirida. Por isso, quanto às ...
As 10 principais diferenças entre profissionais de... Existem muitos fatores que separam os profissionais bem-sucedidos daqueles que não têm tanto êxito em suas carreiras. Entre os principais, estão as at...
A responsabilidade do sócio retirante Prestes a entrar em vigor, a reforma trabalhista passou a prever a responsabilidade do sócio retirante, uma vez que não havia essa disposição na Conso...
eSocial aumenta o risco de multas para as empresas Criado para simplificar e informatizar as informações contábeis fiscais, e contribuir para a modernização da fiscalização e transparência trabalhista ...
5 soluções tecnológicas para alavancar os negócios... Depois de dois anos de retração, o varejo voltou a crescer. Entre julho de 2016 e o mesmo mês deste ano, o setor teve um aumento de 3,1% no volume de ...
Dicas para ser um líder de sucesso Essa escassez é justificável, a maioria dos profissionais pensa que, para se destacar no mercado de trabalho basta, apenas, ser ótimo no que faz. Não ...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *