O governo de Geraldo Alckmin (PSDB) apresentou um projeto de lei complementar na Assembleia Legislativa de São Paulo em que propõe dar uma “segunda chance” às empresas que apresentam algum tipo de desconformidade tributária, como por exemplo a sonegação de impostos, e reduz de forma significativa o peso das multas no processo de regularização tributária no Estado.

A proposição (PLC 25, de 2017), apresentada em 13 de setembro, prevê dar publicidade à conduta tributária das empresas, classificando-as em um ranking de acordo com o seu histórico de pagamento de impostos. A empresa que estiver bem classificada não poderá ser multada em uma ação de fiscalização e terá a chance de se regularizar antes de ser penalizada.

Em linhas gerais, firmada nos princípios do liberalismo econômico, a proposição do governo estadual incentiva a autorregularização das empresas e enfraquece o poder dos agentes de fiscalização.

Nesse sentido, vai ao encontro das ideias defendidas pelo Movimento Brasil Competitivo, que no final do ano passado foi anunciado como “parceiro” da Secretaria da Fazenda do Estado para fazer um diagnóstico e “aprimorar os processos de arrecadação, recuperação de créditos e gestão de serviços” da pasta.

“Não é que o agente fiscal não poderá fazer a fiscalização. Vamos avisar o contribuinte previamente e ele poderá não pagar a medida punitiva”, afirma o secretário-adjunto da Fazenda de São Paulo, Rogério Ceron. “O auto de infração e a multa acabam gerando um gargalo grande para o nosso contencioso tributário e isso vai parar no Judiciário”, diz.

Uma apresentação que resume as ideias do projeto pode ser vista na página da Secretaria Estadual de Fazenda, neste link. De acordo com o secretário-adjunto, atualmente 94% dos contribuintes paulistas pagam em dia o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), principal fonte de arrecadação do governo do Estado.

Alguns deputados estaduais críticos à proposta dizem que essa reforma tributária proposta em São Paulo pode desestruturar o sistema em vigor e trazer prejuízos ao Estado, inclusive com perda do poder de arrecadação.

Crítico à proposta, o Sinafresp (Sindicato dos Agentes Fiscais de Rendas do Estado de São Paulo) protocolou ofício na Assembleia Legislativa questionando a proposta e pedindo ampla discussão na Casa. Uma audiência pública já foi requisitada e deve ser convocada pela Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento da Assembleia.

Fonte: R7

Veja Também

Começa a valer hoje multa para patrão que não assi... Segundo dados da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio (Pnad) 2012, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), dos 6,35 milhões d...
Prorrogado prazo do parcelamento de débitos federa... Informamos que, conforme a Medida Provisória n. 798 – DOU em 31/08/2017, o parcelamento especial federal denominado PERT, alterou a MP 783/2017 nos se...
Projeto permite que microempresários usem a própri... O microempreendedor individual poderá usar a própria casa como sede do estabelecimento, quando não for indispensável à existência de local próprio par...
Receita esclarece tributação de clínica de fisiote... Na hipótese de não atendimento desses requisitos, segundo a decisão da Receita Federal, o percentual será de 32%, uma diferença significativa. Em r...
O Colaborador que não Colabora Merece Colaboração... No começo desta década uma extensa pesquisa do Instituo Gallup demonstrou que apenas 20% do que cada colaborador tem de melhor era utilizado no seu di...
Terceirização passada a limpo Há poucas semanas, uma dúvida que pairava há anos sobre as empresas brasileiras finalmente chegou ao fim. O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta