Com o fim da partilha a partir de 2019, quem ganha e quem perde?

Em 2016 com a entrada em vigor do Diferencial de Alíquotas da EC 87/2015 muitas empresas que não tinham estrutura para atender às novas regras encerraram as atividades.

DIFAL EC 87/2015

Em 2015, através da Emenda Constitucional 87/2015 e Convênio ICMS 93/2015 o governo federal criou a figura do DIFAL, ICMS devido sobre as operações interestaduais destinadas a não contribuinte.

O Difal da EC 87/2015 está em vigor desde 1º de janeiro de 2016, é devido nas operações interestaduais destinadas a pessoa não contribuinte do ICMS e o valor do imposto cabe a unidade federada de destino da mercadoria ou serviço.

Para os Estados e o Distrito Federal se adaptarem à regra, foi criado um período de transição, com início em 2016 e término em 2018. Neste período, o valor do DIFAL será partilhado entre a unidade federada de origem e destino (EC 87/2015 e Convênio ICMS 93/2015), conforme demonstra tabela:

2018 será o último para partilhar o valor do Diferencial de Alíquotas.

A partir de 2019 100% do valor apurado a título de DIFAL da EC 87/2015 será recolhido aos cofres do Estado de destino da mercadoria / serviços.

Quem ganha e quem perde com o fim da partilha?

1 – Quem ganha: os contribuintes e os responsáveis pela apuração do imposto. Não haverá mais a preocupação de partilhar o valor do DIFAL com o Estado de origem e Estado de destino da mercadoria.

2 – Quem perde?

O Estado de origem da mercadoria, visto que a partir de 2019 100% do DIFAL da EC 87/2015ficará com o Estado de destino da mercadoria.

3 – Ameaça de elevação da carga tributária

Para diminuir o impacto na perda da arrecadação, os Estados poderão elevar as alíquotas do ICMS e também criar o Fundo de Erradicação e Combate à Pobreza – FECP, assim como ocorreu quando entrou em vigor o DIFAL da EC 87/2015. Para exemplificar o Estado de São Paulo não criou o FECP para as operações cigarros e cervejas. Já o Estado do Rio de Janeiro, aumentou de 1% para 2% a alíquota do FECP.

Contribuinte optante pelo Simples Nacional x DIFAL EC 87/2015

Em razão da suspensão pelo Supremo Tribunal Federal – STF da Cláusula 9ª do Convênio ICMS 93/2015, o DIFAL instituído pela EC 87/2015 não aplica aos contribuintes do ICMS optantes pelo Simples Nacional.

Vale lembrar que o DIFAL da EC 87/2015 somente se aplica às operações interestaduais destinadas a pessoa não contribuinte do ICMS (independe se é pessoa física ou jurídica). Para isto o remetente deve ser contribuinte do ICMS.

2018 – Percentuais da partilha:

Para emissão do documento fiscal e cálculo correto do DIFAL da EC 87/2015 atualize os percentuais da partilha do imposto para 2018:

Evite equívocos, fique atento às alterações!

Fonte: SpedNews

Veja Também

Prefeitura não pode impedir devedor do ISS de emit... Em 19 de setembro, o relator do caso, desembargador Aroldo Viotti, concedeu efeito suspensivo liberando a emissão e, em 8 de outubro,a 11ª Câmara de D...
Trabalhador Poderá Sacar o FGTS de Conta Inativa M... Por meio da Medida Provisória 763/2016 não há mais a exigência de que o trabalhador esteja fora do regime do FGTS por 3 anos ininterruptos para poder ...
Quais são as diferenças entre Nota Fiscal Paulista... Já a Nota Fiscal Paulista é um programa que visa estimular os consumidores a exigirem a emissão do documento fiscal na hora da compra, objetivando a ...
Operação Cartão Vermelho da Fazenda-SP fere sigilo... Fabiana Barreto Nunes A 6ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) negou recurso da Fazenda paulista ao considerar qu...
Novo Simples só vale para empresa com folha de sal... Apenas empresas com uma folha de pagamento alta em relação a seu faturamento devem se beneficiar com a inclusão de novas categorias no Simples (regime...
Reforma previdenciária – Benefícios previden... Foram publicadas no DOU de hoje (18.6.2015) a Medida Provisória nº 676/2015 e a Lei nº 13.135/2015 (conversão da Medida Provisória nº 664/2014) ambas ...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *