Antes da Reforma Trabalhista, quando uma empresa contraía dívidas decorrentes da relação de emprego e não podia arcar com o seu pagamento, por qualquer motivo, não havia um dispositivo legal claro na CLT ou Legislação específica que desse conta de resolver a questão.

Quando essa demanda chegava à Justiça do Trabalho a questão acabava sendo resolvida por analogia à legislação comercial, promovendo a Desconsideração da Personalidade Jurídica da empresa para atingir o patrimônio dos sócios e quitar as obrigações trabalhistas deixadas pela empresa.

O problema é que, na prática, a Justiça do Trabalho só aproveita a parte da legislação que lhe convinha, isto é, aplicava a Desconsideração da Personalidade Jurídica prevista no Código Civil (art. 50), mas, à rigor, não observava os critérios previstos no mesmo artigo para promover a Desconsideração, a saber: o abuso da personalidade jurídica, manifesto pelo desvio de finalidade da PJ ou pela confusão patrimonial entre os bens dos sócios e da empresa.

Aqui cabe um à parte para destacar a importância da Contabilidade neste contexto. Uma contabilidade proba e fidedigna afasta, tranquilamente, os pressupostos para a aplicação da Desconsideração da Personalidade Jurídica – caso realmente não estejam presentes.

Ocorre que, sem a devida atenção na contabilidade, muitos empreendedores acabam perdendo esta importante ferramenta que, entre outras tantas coisas, poderia ser utilizada para contestar judicialmente a Desconsideração da Personalidade Jurídica e proteger o seu patrimônio pessoal em caso de infortúnio da sua iniciativa empreendedora.

Vale a pena dizer ainda que mesmo o sócio que se retirasse da sociedade ainda era atingido pela execução trabalhista até 2 anos após sua retirada, também de acordo com aplicação análoga da legislação comercial (art. 1.0003, § único, CC).

Nesse sentido, entenda, a Reforma trabalhista não veio trazer grande inovação, o seu principal mérito foi incorporar diretamente na Legislação Trabalhista o que já vinha sendo aplicado pelo Judiciário e organizar um pouco melhor essa aplicação, mas a lógica continua a mesma.

A Desconsideração da Personalidade Jurídica continua sendo regulada pelo Código Civil, e nem poderia ser diferente, vez que é um instituto essencialmente comercial e não trabalhista, entretanto a forma e alcançar o patrimônio do sócio nas obrigações decorrentes da relação de emprego passa a ter a regulamentação específica na CLT, veja:

art. 10-A O sócio retirante responde subsidiariamente pelas obrigações trabalhistas da sociedade relativas ao período em que figurou como sócio, somente em ações ajuizadas até dois anos depois de averbada a modificação do contrato, observada a seguinte ordem de preferência:

I – a empresa devedora;

II – os sócios atuais; e

III – os sócios retirantes.

Parágrafo único. O sócio retirante responderá solidariamente com os demais quando ficar comprovada fraude na alteração societária decorrente da modificação do contrato.”

Destaque-se: definida a responsabilidade subsidiária, o patrimônio do sócio somente poderá ser atingido para o cumprimento da obrigação trabalhista depois de esgotado o patrimônio da empresa e não ter sido suficiente para o pagamento da obrigação, e do sócio retirante, isto é, que saiu da sociedade, só poderá ser atingido depois de esgotado o patrimônio da Empresa e dos Sócios remanescentes, e ainda assim, não terem sido suficientes – exceto no caso de fraude, isto é, quando o sócio se retira da sociedade justamente para tentar se livrar dessa responsabilidade, nesse caso a ordem acima não precisará ser respeita e o sócio retirante poderá ser responsabilizado diretamente (em tempo, a fraude, em tese, precisa ser provada).

Outras questões importantes esclarecidas pela legislação foram:

  • deixar bem claro que os dois anos pelos quais os sócios retirantes continuam responsáveis pelas obrigações começa a contar a partir da averbação alteração contratual (data de arquivamento);
  • que vale a data de ajuizamento da ação para identificar a responsabilidade (ou não) dos sócios retirantes (havia discussão se deveria ser considerada a data de ajuizamento da ação ou citação do sócio); e
  • que a responsabilidade dos sócios retirantes é limita às obrigações relativas ao período em que figuraram como sócios, ou seja, não pode ser responsabilizado por obrigações referentes ao período posterior à sua retirada da sociedade (também importante, pois muitas vezes os sócios retirantes acabavam sendo responsabilizados mesmo por obrigações posteriores à sua retirada).
  • É evidente que toda essa legislação se aplica somente às empresas organizadas sob o tipo societário de Sociedades Limitadas, Eireli ou qualquer outro que estabeleça a autonomia patrimonial da empresa em relação aos sócios e titulares, caso não haja essa autonomia, não há que se falar em nada disso, pois o patrimônio do sócio, ao se confundir com o da empresa, responde diretamente pelas obrigações da empresa, quer trabalhistas ou não.

    Por fim, deve-se destacar a importância que a assessoria contábil ganha neste contexto:

    1. No caso da venda de uma empresa, o contador, que geralmente absorve também o serviço de departamento pessoal, pode sugerir ao seu cliente, especialmente caso seja o sócio retirante, a demissão de todos os funcionários e a quitação das obrigações trabalhistas, desta forma, todas as obrigações relativas ao período que foi sócio estariam cumpridas, evitando que esse passivo trabalhista possa ser cobrado dele mais adiante, à depender da forma que a empresa for administrada pelos novos sócios (se os compradores quiserem, que recontratem os funcionários no dia seguinte);

    2. Cuidar e garantir que a alteração de contrato seja levada à registro o quanto antes; e

    3. Especialmente e diretamente ligado ao ofício do contador propriamente dito, como visto, a contabilidade proba e fidedigna é a principal ferramenta que o empreendedor tem para proteger o seu patrimônio! É incrível que alguns ainda negligenciem isso! Com uma contabilidade bem feita, correta, é possível garantir a saúde financeira da empresa e proteger o patrimônio pessoal dos sócios, o que evidencia a extrema importância que o empreendedor deveria dar à sua contabilidade e a responsabilidade do contador nesse processo.

    Fonte: Contábeis

    Veja Também

    Parceria Ideal A Contabilidade é uma das maiores parceiras de todos os Empreendedores do mundo inteiro. Não há empresa que exista sem assessoria contábil. Mas, qu...
    Os rumos da substituição tributária do ICMS Conforme amplamente divulgado pela mídia, o Supremo Tribunal Federal (STF) finalmente pôs termo a uma discussão que se arrastava há anos e que possui ...
    Sped-NF-e: Divulgada Nota Técnica sobre Carta de C... A previsão para uso da CC-e é nos casos em que forem detectadas incorreções, após a concessão da Autorização de Uso da NF-e, em que o emitente poderá ...
    A SCP e a exigência de sua inscrição no CNPJ A sociedade em conta de participação (SCP) é um tipo societário peculiar, assemelhado a um contrato de investimento. Uma de suas principais caracterís...
    Por que algumas pequenas empresas possuem muitas d... Isso ocorre, porque normalmente a área financeira destas pequenas empresas é gerenciada por pessoas de confiança do empresário, como exemplo alguém da...
    Novidades do Bloco K O Bloco K é a digitalização do Livro de Registro de Controle da Produção e do Estoque, com o objetivo de identificar e controlar as movimentações de e...

    Deixe uma resposta

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *