Para manter o ânimo da equipe e atingir as metas, empresas apostam em treinamentos e até incentivam a implantação de novas práticas

Se em tempos bons treinamento e motivação ajudam, na crise eles são fundamentais para manter o ânimo da equipe. Mas devem estar bem alinhados aos objetivos para proporcionar bons resultados às empresas. Especialistas citam ações como bonificação e oportunidade de implantação de novas práticas como fórmula do sucesso para motivar funcionário.

O sócio da Exed – consultoria e pesquisa em educação executiva – Renan Guedes destaca a importância de acompanhar o profissional no processo de motivação. “A partir do momento que o colaborador aplicar as práticas, ele será avaliado e, em caso positivo, irá receber bônus [aumento salarial ou promoção]. Não basta investir em treinamento, tem de cobrar os resultados.”

Para o consultor, o momento de desaceleração econômica é propício para investir em eficiência, e elevar a qualidade do processo resulta em alta da receita da empresa. “Quando você capacita, mas não promove atividade de engajamento, o colaborador não vai conseguir aplicar o conhecimento, pois falta motivação para se esforçar e colocar as técnicas que recebeu em prática”, diz.

Formato

Outro ponto importante destacado por Guedes é o formato dos cursos. “Quando o colaborador recebe um curso teórico de gestão e MBA, por exemplo, pode ter dificuldades para aplicar aqueles conceitos.”

O executivo explica ainda que investir em programas de educação corporativa dentro da própria empresa, com foco em pequenos grupos, pode ter resultados mais significativos.

A CEO da Hunter Consulting Group, empresa com foco em recursos humanos e carreira, Ana Paula Zacharias também acredita que o treinamento deve estar relacionado ao resultado. ” Se as empresas disponibilizarem as ferramentas para que os colaboradores atuem em sua melhor performance, poderão cobrar metas arrojadas”, analisou ela.

Atenta às necessidades, a Atacadista Roldão oferece cursos técnicos em prevenção de perdas, boas práticas de fabricação, entre outros temas ligados ao varejo. “Melhoramos o atendimento e os clientes são tratados de maneira personalizada”, destacou a gerente de recursos humanos do Atacadista Roldão, Cícera Pontes.

As ações que geram fidelização de cliente, retenção de talentos e o crescimento profissional de todo os colaboradores têm ajudado a empresa a alcançar resultados, destacou Cícera.

Além das atividades de capacitação, o Roldão investe em eventos comemorativos, como Dia das Mães, Dia dos Pais, festas de final de ano e o café com o presidente. Este último é um encontro que tem motivado muito os funcionários, já que permite que eles tenham um contato direto com a direção da empresa, explica o CEO da empresa, Ricardo Roldão, durante o BR Week 2015. “Em treinamentos de liderança percebemos que além da maior interação entre os funcionários, durante o trabalho, fica mais fácil auxiliar o colega durante uma necessidade pontual”, destacou a executiva.

Atualmente, a bandeira Roldão possui mais de três mil colaboradores e conta com 20 lojas no Estado de São Paulo.

Festa e academia

Outra companhia que afirma ter conseguido tornar os colaboradores mais que motivados, com muitos deles verdadeiros fãs da marca, é a Chilli Beans. A principal ação de engajamento é o programa Superdose. Este ano, o evento durou cinco dias no navio Fashion Cruise e contou com a participação de duas mil pessoas da rede (entre franqueados, vendedores, fornecedores e franqueadora). “Dali todos saem motivados para trabalhar”, disse o criador da Chilli Beans, Caito Maia. Durante o ano acontecem outras miniedições, como o pré-Natal em todas as regiões do País. A marca possui cerca de cinco mil funcionários e 650 pontos de venda em todo o País.

Para motivar funcionários, o Grupo Pão de Açúcar dispõe do GPA Clube, que atende mais de 4 mil colaboradores. O programa oferece preparação e o acompanhamento para iniciar a prática esportiva e conta com medicina e nutrição esportiva. O grupo oferece ainda 22 academias, que contam com salas de ginástica, bicicletas e musculação. Outra modalidade é o Squash, com três quadras oficiais nas unidades.

Ana Paula Silva
DCI

Veja Também

Como decidir entre contabilidade própria ou tercei... No passado, cada organização tinha seu próprio departamento de contabilidade, mas com a tendência de especialização, as empresas passaram a buscar a t...
Cinco passos para iniciar um novo negócio com segu... Empreender é uma tarefa difícil. Além de todos os percalços envolvidos na atividade empresarial, alguns próprios do modelo econômico brasileiro, há ...
Vá com calma: questionar superiores é possível, ma... Questionar esses comportamentos é mais delicado, tendo em vista que dificilmente é possível constatar na prática os prejuízos dessas ações. “Além diss...
Prestação de serviço com material e venda de merca... Existem muitas dúvidas tributárias no que tange o ICMS e o ISS quando ocorre uma operação onde se envolve mercadorias e mão e obra, qual imposto estar...
Trabalhador é multado por má-fé Ainda são raras as punições de trabalhadores pela chamada litigância de má-fé - pela apresentação de acusações não comprovadas no Judiciário ou recurs...
Ata de Reunião ou Assembléia de Sócios: Mera obrig... Por: Rogério Aleixo Pereira (*) Como todos os anos desde a mudança do Código Civil, as empresas em geral tem o dever legal de realizar, até os quat...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta