Empréstimo pode ajudar a manter operações e pagar funcionários durante a crise, mas exige cautela e análise profunda das necessidades do negócio

A liberação de crédito para pequenas empresas se tornou uma das grandes demandas frente à crise do coronavírus. A mobilização resultou no aumento do volume disponível nos bancos em novas linhas de financiamento. Mesmo assim, o acesso ainda é difícil: até o início de abril, 60% dos pequenos negócios que buscaram empréstimo haviam tido crédito negado, segundo uma pesquisa do Sebrae.

Um dos grandes obstáculos para o acesso é a exigência de garantias pelas instituições financeiras. Outro problema é que muitos empreendimentos já não tinham uma situação financeira boa antes da pandemia. Na pesquisa, 24,4% dos respondentes afirmaram que o cenário era ruim. Para 49%, era razoável.

Quem pensa em buscar crédito no mercado deve prestar atenção em alguns pontos. O primeiro deles é definir a real necessidade do negócio e traçar como ele poderá funcionar daqui para frente. Outro é entender quais são as linhas disponíveis e as alternativas para quem não tem garantia. Veja, abaixo, como analisar esses e outros pontos.

Entenda a situação atual e futura da empresa
Por mais que pagar as contas esteja difícil, é importante analisar as perspectivas futuras da empresa antes de pedir empréstimo. Isso inclui considerar o cenário econômico, como a alta no desemprego e a queda no poder de compra da população. “Não adianta pegar pensando em ter a mesma operação que teria antes da crise. A condição será pior”, aponta o assessor econômico da FecomercioSP Guilherme Dietze.

A falta de previsibilidade sobre a abertura do comércio em algumas cidades também dificulta a análise. Por isso, o melhor caminho é buscar adaptar o negócio às novas condições. Considerar a adesão a um marketplace ou a criação de um e-commerce são alguns exemplos. Já os comércios de bairro podem ganhar mais recorrendo à divulgação pelas redes sociais e ao delivery.

Dietze também indica analisar o que as pessoas mais estão precisando no momento. Com mais pessoas em casa, a demanda por utensílios domésticos cresce e a por vestuário cai, por exemplo. Seja qual for o caminho de adaptação, a palavra-chave é planejamento. “Não adianta mudar tudo em uma ou duas semanas. Pode ser um tiro no pé”, afirma ele.

Defina os gastos mais significativos
O planejamento futuro permitirá definir melhor a real necessidade de crédito da empresa. Dietze diz que, se a ideia é migrar para as vendas digitais, por exemplo, a necessidade de pagar fornecedores tende a ser maior do que a de manter os funcionários ativos. Então, uma opção é buscar uma linha de crédito para capital de giro. “Com a antecipação dos recebíveis, as maquininhas e os meios de pagamento digitais também são uma maneira eficiente de gerar crédito para as empresas”, aponta ele.

Já se a presença da equipe é essencial para a retomada do negócio, é possível recorrer à redução de jornada e salário permitida pela MP 936. Se a redução for inviável, um caminho pode ser buscar uma linha de financiamento de folha de pagamento. Apesar dos exemplos, vale ressaltar que a análise é individual e o crédito não é a melhor opção para todo mundo. “Para muitos, será preferível manter as portas fechadas e não se comprometer com dívidas do que se arriscar.

Explore as linhas e condições disponíveis
Muita gente ainda não conhece as medidas e linhas de crédito que estão sendo lançadas para apoiar os pequenos negócios. Na pesquisa feita pelo Sebrae, 29% dos empresários entrevistados não conheciam as medidas e 57% apenas ouviram falar a respeito. Fazer uma pesquisa ampla é importante para saber o que o mercado está oferecendo e praticando em termos de juros e prazos. O Sebrae disponibiliza uma lista com as linhas anunciadas até o momento.

Na hora de escolher a instituição financeira, Dietze diz que a primeira tentativa deve ser feita com aquela que te conhece há mais tempo e, portanto, tem mais chances de oferecer condições mais vantajosas. Elas, porém, devem ser comparadas a outras opções no mercado antes de um aceite. “Hoje, quem está muito à frente em linhas de capital de giro e financiamento de folha é a Caixa. Mas é preciso ver o caso de cada um”, diz.

As fintechs também aparecem como uma opção interessante, em especial para quem não tem uma garantia para oferecer. Outro diferencial é a oferta de crédito online, por aplicativos ou plataformas digitais.

Garantias
Quem tem garantias a oferecer terá mais vantagens na hora de negociar com o gerente. Além de imóveis, Dietze diz que uma alternativa comum antes da crise era utilizar descontos de duplicatas e recebíveis. Sem eles, o risco analisado pelo banco aumenta e as chances de concessão de crédito caem.

Uma alternativa indicada hoje é recorrer a um fundo garantidor ou de aval, oferecido por instituições como BNDESBanco do BrasilSebrae Desenvolve-SP. Eles concedem garantias complementares na contratação de crédito, funcionando como uma espécie de “seguro” para tornar o risco menor para o banco. O resultado é uma taxa de juros mais alta, mas uma linha mais acessível para quem não tem outras garantias.

Recentemente, o Sebrae fechou uma parceria com a Caixa para ofertar R$ 7,5 bilhões em crédito a micro e pequenas empresas por meio do seu Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe).

Dietze alerta que o serviço deve ser procurado diretamente na instituição financeira desejada para obter o crédito, que fica responsável por acionar o fundo. Diz, porém, que é possível haver alguma burocracia. “Como são linhas desconhecidas para alguns bancos, o gerente pode não conhecer o processo.”

E quem está negativado?
Quem já tinha dívidas antes da crise terá menos chances de conseguir acessar crédito agora. Ao anunciar a parceria com o Sebrae, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, afirmou que a parcela poderá ser inclusa em uma nova linha de crédito “em um segundo momento”. Até lá, a recomendação é que busquem outras linhas de crédito ofertadas pelo banco. Uma alternativa oferecida por instituições foi a prorrogação do prazo para o pagamento das dívidas.

Segundo Dietze, tentar obter empréstimo como pessoa física para arcar com dívidas da empresa não é uma boa opção. “Empresa é empresa e família é família. Se você misturar as coisas e ficar com o nome negativado, o barato sairá caro”, diz.

Fonte: Revistapegn.globo.com


Veja Também

6 dicas para aumentar a produtividade em 2020 Com o fim do ano chegando, é comum ter a sensação de que os últimos 12 meses não foram suficientes para cumprir todas as tarefas propostas, e que não...
Mudança no ICMS Interestadual afeta emissões de no... Como era esperado, alterações referentes ao ICMS interestaduais, que estão valendo desde 1º de janeiro de 2016, vêm ocasionando muitas confusões par...
LEI DE PROTEÇÃO DE DADOS TRAZ DESAFIOS A EMPRESAS,... A Lei Geral de Proteção de Dados (No 13.709 de 2018) completou um ano neste mês. A norma estabeleceu regras de coleta e tratamento de informações de ...
Dicas para acertar ao falar sobre você mesmo duran... Saiba como fazer uma boa apresentação pessoal e conquistar os recrutadores Durante a entrevista de emprego, vários aspectos de um candidato são anali...
É preciso flexibilizar direitos sociais para haver... Ocupante do mais importante cargo da Justiça do Trabalho, o presidente do TST (Tribunal Superior do Trabalho), ministro Ives Gandra da Silva Martins F...
O atendimento adequado em 13 passos Para as pequenas e médias empresas a importância do atendimento se torna ainda mais relevante, já que a marca de uma pequena empresa não é tão divulga...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta