Fala-se muito em inovação, mas resiste-se às mudanças, verbalizamos a importância das pessoas e do clima na empresa, mas continuamos presenciando uma deficiente gestão das emoções. Quando pressionadas, as pessoas tornam-se mais punitivas e menos produtivas. A vantagem competitiva citada por Thomas Stewart no início deste artigo só se torna efetiva quando investimos na realização pessoal e profissional de nossos talentos!

O consultor inglês Stanton Marris propõe que para criar energia emocional uma empresa deve seguir cinco passos:

1. Ser aberta com respeito à posição atual e à estratégia compartilhando-as com todos.

2. Ser receptiva, solicitando apoio, ideias e colaborações de todos os envolvidos no negócio.

3. Dar liberdade e autonomia aos colaboradores para tentarem coisas novas.

4. Apoiar constantemente todas as iniciativas de valor reconhecendo os avanços conquistados.

5. Manter o foco em avaliação e ajustes necessários para dar continuidade ao processo de evolução.

Se desejamos que as pessoas nos deem o melhor de si, precisamos dar a elas as condições de qualidade de vida e felicidade no trabalho que as permita manterem-se motivadas e produtivas. Respeito, reconhecimento e incentivo são as três palavras-chave neste contexto. Precisamos nos dedicar a criar um clima altamente positivo em nosso ambiente e relações de trabalho, incentivando as conquistas coletivas, a sinergia e o compartilhamento de desafios, vitórias e responsabilidades.

Devemos procurar manter as organizações horizontais e acessíveis, o­nde todos podem se comunicar com todos, nada de burocracias e hierarquias na comunicação. Se queremos comprometimento temos que envolver as pessoas!

Administrando as emoções, alimentamos o capital emocional, favorecemos o capital intelectual e oferecemos as melhores condições para um ambiente ético e produtivo.

O orgulho de pertencer a uma empresa continua sendo a mais fantástica conquista quando tratamos do capital humano. Se desejamos encantar nossos clientes devemos começar encantando nossos colaboradores, fornecendo a eles um conjunto de razões nobres para sentirem este orgulho de pertencer à nossa empresa e sonhar conosco um sonho coletivo!

Por Carlos Hilsdorf: economista, pós-graduado em Marketing pela FGV, consultor e pesquisador do comportamento humano. Considerado um dos melhores palestrantes do Brasil na atualidade. Palestrante do Congresso Mundial de Administração (Alemanha) e do Fórum Internacional de Administração (México). Autor do best seller Atitudes Vencedoras, apontado como uma das 5 melhores obras do gênero, e do sucesso 51 Atitudes Essenciais para Vencer na Vida e na Carreira. Referência nacional em desenvolvimento humano.

Fonte: Administradores.com.br
04/05/2011

Veja Também

Novidade sobre o REFIS – PERT O governo finalmente colocou ponto final nos impasses do Refis e converteu a MP 783/17 na Lei 13.496/17. Na atual legislação, os descontos são: li...
Prática contábil ajuda lucro de empresas O lucro líquido da Petrobrás, que adota a prática desde maio, somou R$ 6,201 bilhões no segundo trimestre, revertendo o prejuízo líquido de R$ 1,346 b...
4 lições-chave em finanças empresarial Está buscando equilibrar suas finanças? Temos algumas lições que podem ajudar, quando o assunto é financiamento Levantar capital pode ser um grande d...
Senado pode votar no dia 28 desoneração de empresa... O Senado poderá votar na sessão deliberativa do próximo dia 28 a reabertura do prazo do Refis da Crise e a desoneração da folha de pagamento de cerca ...
Uso de offshores está na mira do fisco   A Receita Federal não concluiu ainda como tributar receitas omitidas por empreiteiras em contas no exterior -como no caso da Odebrecht...
Problema pessoal afeta a produtividade da empresa Levantamento da consultoria Blue Numbers junto a 60 companhias indica que funcionários estão gastando horas de trabalho para resolver dificuldades ...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta