Assim como qualquer contribuinte, o MEI também tem que prestar contas à Receita Federal.

O empreendedor não precisa entregar a declaração anual de Imposto de Renda (IR) pelo seu negócio — mas deve fazer isso como pessoa física, dependendo do seu ganho, caso tenha outros rendimentos ou se enquadre nos demais requisitos do IR. Como MEI, sua principal obrigação é a Declaração Anual do Simples Nacional(DASN-SIMEI), que precisa ser enviada à Receita Federal até o dia 31 de maio de cada ano, com as informações do ano anterior. Essa declaração, em alguns casos, leva à cobrança de IR sobre o negócio.

Na DASN-SIMEI, devem ser informadas as despesas, as receitas e o lucro obtido com a atividade durante o exercício anterior. Quem se organiza e contabiliza todos os dados mensalmente não costuma ter problemas ao preencher o documento. Mas deixar todo esse balanço para a última hora pode a complicar a vida do profissional. Uma multa de pelo menos R$ 50 é cobrada dos que não cumprem o prazo.

A prestação de contas correta e o eventual pagamento de imposto mantém a regularidade do MEI. Um dos pontos checados pela Receita é o limite de faturamento bruto anual de R$ 81 mil, que garante o enquadramento nessa modalidade tributária. É uma forma ainda de prestar contas sobre o recolhimento do Documento de Arrecadação Simplificada (DAS), que deve ser pago todos os meses até o dia 20.

Mesmo quem está abaixo do limite de R$ 81 mil por ano e recolheu a tributação mensal, se teve lucro, pode estar sujeito ao pagamento de Imposto de Renda. É um cálculo que o MEI também deve fazer mês a mês. A diferença a mais entre as receitas e as despesas é o lucro do empreendedor como pessoa física. Mas não é para se assustar. A legislação permite uma redução do lucro tributável de acordo com a atividade. Prestadores de serviço, em geral, têm um abatimento de 32%, ou seja, esse percentual do que valor auferido é isento. Para o transporte de pessoas, a margem excluída é de 16%, e para o comércio e a indústria, de 8%.

— Na prática, é muito vantajoso ser MEI. Dependendo da atividade, ele terá um percentual de isenção relevante, já tendo contribuído para o INSS — disse Antonio Gil, sócio de Tributos da consultoria Ernst Young.

Os MEIs ainda estão isentos de Imposto de Renda até o limite de R$ 1.903,98, que é a faixa livre de tributação de todos os trabalhadores. Portanto, calculado o lucro, abatida a isenção específica da atividade de MEI e subtraída a isenção normal, chega-se ao lucro tributável. Fazer essa prestação de contas, segundo Gil, é uma segurança para o profissional. Ao longo do tempo, o lucro pode se converter em patrimônio — como carro ou imóvel — e justificar a origem do dinheiro depois pode ser complicado:

— É importante que o MEI guarde toda a documentação por cinco anos, pois é o prazo a que estará sujeito a uma fiscalização.

Organização ajuda muito

Amanda Brollo, de 32 anos, não esquenta a cabeça com a declaração anual. Ela, que vende bijuterias e mora na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, mantém uma planilha eletrônica com toda a movimentação financeira. No ano seguinte, o preenchimento dos dados é quase automático:

— Recebi a consultoria do Sebrae, que me ajudou na administração, sem que eu precisasse de contador. Contabilizo despesas, vendas e fluxo de caixa e traço metas no computador. Estar formalizada e em dia com as obrigações me permite aumentar a gama de clientes e participar de editais.

Segundo Andrea Nicolini, da consultoria Sage, o MEI que não está acostumado a lidar com planilhas eletrônicas ou não dispõe de um computador pode manter seu controle de caixa em papel, fazendo anotações manualmente. Para facilitar o trabalho, é aconselhável imprimir o modelo do relatório mensal de receitas, pelo site www.portaldoempreendedor.gov.br.

— É importante deixar claro que, mesmo se não faturar, o MEI tem que fazer sua declaração anual e pagar seu DAS mensal — disse ela.

Como pessoa física

Antes da entrega da declaração de MEI, o empreendedor deve ficar atento à soma dos lucros. Em 2018, por exemplo, independentemente da faixa de isenção da atividade, se o valor superou R$ 28.559,70, o MEI teve que fazer a declaração anual de Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) , cujo prazo de entrega terminou no fim de abril.

Essa prestação de contas é obrigatória também para quem tem outros rendimentos paralelos, que, somados ao lucro do MEI, ultrapassam a isenção geral de pessoa física. Quem tem um rendimento fixo como salário ou aposentadoriaem paralelo, por exemplo, e já faz a declaração por conta dessa renda, tem que acrescentar os ganhos com o empreendimento no documento, separando o que é lucro tributável ou não.

“O simples fato de ser ou não ser um MEI não é causa suficiente para obrigar ou desobrigar o contribuinte de apresentar declaração de Imposto de Renda da Pessoa Física. Caso ele se enquadre em qualquer das hipóteses de obrigatoriedade de declarar, de acordo com a legislação federal pertinente, deverá fazê-lo. Caso contrário, não”, informou a Receita Federal, em nota.

Outra formalidade a ser cumprida pelo MEI é o eSocial, caso tenha um empregado. É preciso cadastrá-lo no sistema e contribuir mensalmente com 11% sobre o salário mínimo para a Previdência Social — ou o mesmo percentual sobre o piso regional da categoria — além de recolher o FGTS do funcionário (8%). No portal do eSocial (www .esocial. gov.br), o MEI registra o histórico do empregado, incluindo férias, 13º salário e outros dados. A plataforma faz cálculos e facilita o gerenciamento dos pagamentos, gerando a guia de recolhimento mensal.

Fonte: PORTAL CONTÁBEIS/O GLOBO

Veja Também

EFD-ICMS/IPI – exigência do bloco K é adiada para ... Os estabelecimentos industriais ou a eles equiparados pela legislação e os estabelecimentos atacadistas, ganharam mais um ano para fazer as adaptações...
A INFINDÁVEL GUERRA FISCAL DO ICMS Com a crise que se instalou nos últimos anos no Brasil, a perda de arrecadação em todas as esferas foi dramática, mas para Estados e municípios o efe...
Imposto de Renda e as pegadinhas da Receita Federa... Quando há a compra ou venda de um imóvel, por exemplo, a imobiliária que intermediou a negociação já informou a Receita Federal através da DIMOB -Decl...
A empresa e assédio entre funcionários Marcia Bello é especialista em relações do trabalho do Sevilha, Arruda Advogados Conforme definição que consta no site do Ministério Público do Tra...
4 lições-chave em finanças empresarial Está buscando equilibrar suas finanças? Temos algumas lições que podem ajudar, quando o assunto é financiamento Levantar capital pode ser um grande d...
Saiba quais são as fraudes mais visadas pela Recei... Omissão de rendimentos recebidos de profissionais liberais Alguns profissionais autônomos da área da saúde (médicos, dentistas, psicólogos, fisiote...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta