O subsecretário de fiscalização da Receita, Caio Marcos Candido, informou que a extinção da Declaração de Informações Fiscais (DIF) para o segmento de bebidas acontecerá ainda esta semana. Outro documento a ser extinto será a Declaração do Imposto Territorial Rural (DITR) para os tipos de imóveis imunes ou isentos de tributos, como de agricultura familiar. “Estamos fechando os demais setores e as informações serão anunciadas no tempo delas.”

A decisão da Receita simplifica o recolhimento dos dados das empresas, mas não significará redução da carga tributária. A mudança ocorrerá para eliminar a duplicidade de informações. “O conjunto de informações continuará o mesmo. Já temos os dados ou eles não são mais necessários para controlar a arrecadação”, disse. A intenção, conforme Candido, é melhorar o ambiente de negócios e reduzir o custo Brasil.

Ao extinguir a DIPJ, a Receita passará a receber todas as informações pelo Sistema Público de Escrituração Digital (Sped). Alguns dados fornecidos pelas companhias já chegam ao governo por meio desse instrumento, mas como o Sped não possui todas as informações necessárias, outros dados serão solicitados aos contribuintes e passarão a constar nesse sistema. “Não podemos abrir mão de informação sem a garantia de que a obteremos por outro meio”, disse Candido. De acordo com ele, caberá à Receita a agregação anual das informações passadas pelas companhias.

Candido explicou que o fim da DIPJ terá início pelas grandes empresas, que declaram imposto pelo lucro efetivamente obtido, porque elas precisam apresentar um número maior de informações, o que eleva os custos. A segunda leva incluíra as companhias que declaram pelo lucro presumido. Além disso, a Receita testará o sistema com menos empresas.

As empresas que declaram IR pelo lucro real representam cerca de 80% da arrecadação federal.

PIS e Cofins. O subsecretário informou também que será simplificada a declaração do PIS e da Cofins. Segundo ele, estão avançados dentro da Receita os estudos para mudar a legislação. “Vamos simplificar a forma de apuração para, no final, ficar com a mesma carga tributária”, disse.

Candido disse que a proposta deve chegar ao Congresso no ano que vem.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Veja Também

ECD e ECF: quais são as diferenças? O ano de 2015 foi de grandes expectativas para algumas novidades anunciadas ainda em 2014 na área da contabilidade, entre elas a Escrituração Contábil...
CARF IGNORA STF E DECIDE QUE ICMS COMPÕE BASE DE C... A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal não parece importar muito para os interesses fiscais da União, embora a corte tenha decidido que o ICMS ...
VALE-TRANSPORTE PAGO EM DINHEIRO FAZ PARTE DO SALÁ... Uma construtora terá de refazer os cálculos da rescisão de contrato de um empregado passando a considerar como salário o vale-transporte que era pago ...
Faltas Justificadas – Com Prazo Previsto Pela Legi... A legislação trabalhista admite determinadas situações em que o empregado poderá deixar de comparecer ao serviço, sem prejuízo do salário. As dispe...
Meu pedido de Radar foi negado. E agora o que faço... Há diversos motivos para o indeferimento do pedido de Radar. Sandro Schulle Eu tive diversas informações de empresas que me procuraram para resolver...
IR tem declaração pré-preenchida para usuários de ... A Secretaria da Receita Federal liberou nesta quarta-feira, 20, o download do programa gerador do Imposto de Renda 2020, referente ao ano-base 2019. ...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta