Nova versão 3.10 passa a ser obrigatória a partir de 1º de abril
No dia 31 de março será desativada a versão 2.0 da Nota Fiscal eletrônica (NF-e). A partir de 1º de abril passa a ser obrigatório o uso da versão 3.10, com uma série de mudanças positivas para os usuários de sistemas.

A consultora de Negócios da Inventti, Karine Gresser, explica que uma das principais alterações é a possibilidade de emissão da Nota Fiscal do Consumidor eletrônica (NFC-e) a partir do mesmo layout da NF-e, o quefacilita a interpretação e leitura digital do documento e não exige a necessidade de um novo layout de integração para todo tipo de sistemas. “Com isso ganha-se agilidade no processo de escrituração pelas contabilidades, por exemplo, ou no caso de importar um item contas a pagar por uma empresa dentro de um ERP”, afirma Gresser.

Também foram incluídas novas informações quanto à exportação de produtos, onde passam a ser necessários alguns detalhamentos como a informação de número do drawback, um regime aduaneiro especial que consiste na suspensão ou eliminação de tributos incidentes sobre insumos importados para utilização em produto exportado. “Desta maneira, o empresário identifica na nota fiscal o número, para saber a que exportação se refere”, acrescenta a consultora.

Com a criação do item “Devolução de mercadoria” no campo “Finalidade de Emissão da NF-e”, a nova finalidade de emissão da NF-e de “Devolução de mercadoria” limitou os tipos de operações que poderão constar na NF-e que indicar este item no campo “Finalidade de Emissão da NF-e”, uma vez que a NF-e que mencionar referida finalidade será de uso exclusivo para este tipo de operação.

Além disso, quando indicado o item de número 4 (“Devolução de mercadoria”) no campo de finalidade, haverá impacto na validação de algumas informações pelo programa NF-e, como por exemplo:

• Na NF-e de devolução, obrigatoriamente deverá ser informado o documento fiscal de aquisição das mercadorias ou bens que estão sendo devolvidos;

• Indicada esta finalidade de emissão, o programa NF-e somente aceitará Código Fiscal de Operações e Prestações (CFOP) indicativo deste tipo de operação (devolução), ou seja, rejeitará qualquer CFOP que indique outras operações.

• Quando indicadas outras finalidades de emissão, os CFOPs atinentes às operações de devolução não serão aceitos pelo programa.

“Todo esse processo relacionado ao item ‘Devolução de mercadoria’ passa a auxiliar na identificação da nota que foi vendida a mercadoria, além de automatizar informações de financeiro e entrada de estoque para os empresários que utilizam Sistemas de Gestão”, finaliza Gresser.

Link: http://www.administradores.com.br/noticias/negocios/saiba-o-que-muda-com-a-desativacao-da-nf-e-2-0/99653/
Fonte: Administradores

Veja Também

5 Dicas sobre Substituição Tributária As regras variam de Estado para Estado, e as multas pelo cálculo ou recolhimento incorretos são consideráveis. A substituição tributária do ICMS é ...
Inércia no planejamento tributário pode trazer pro... A doutrina e a jurisprudência começam a reconhecer a chamada desconsideração de personalidade jurídica inversa, ou seja, quando os bens de propriedade...
Receita Federal informa a Consolidação do Refis da... Casuísmo político? Uso eleitoreiro da receita para fazer parecer que o governo havia ficado “bonzinho” em relação a cobrança de dívidas tributárias? ...
PPRA e PCMSO – Esclarecimentos c)   Quem está obrigado a fazer o PPRA? A elaboração e implementação do PPRA é obrigatória para todos os empregadores e instituições que admitam tr...
7 segredos para se diferenciar em 2014 Não tenha medo da mídia Independentemente do tamanho ou do momento que a sua empresa estiver vivendo, sempre haverá um meio adequado para você divu...
Como limpar o nome sujo Com a desaceleração da economia e o acesso ao crédito cada vez mais restrito, aumenta a inadimplência de empresas e consumidores Um dos efeitos mais ...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta