A tradição da empresa deve ser repensada ou não?
Escrito por Herbert Steinberg, especialista em empresas familiares

Conciliar inovação e tradição, encarar e neutralizar os conflitos, promover uma saudável transição de poder e liderança estão entre os principais dilemas de uma organização. Empresas que assumiram a tarefa árdua de promover as mudanças necessárias e aceitaram a missão de buscar a excelência, de certa forma, compartilham de algumas lições que servem de inspiração para quem pretende chegar lá.

Inspiração, sim, a palavra é essa. Porque cada organização terá de encarar seus problemas e seus atributos de valor e, a partir daí, identificar em que alicerces construirá o realinhamento de seus processos de gestão e seu plano de sucessão.

É importante observar o que líderes de empresas bem-sucedidas praticaram e conquistaram ao adotarem as melhores práticas de governança, sem perder o foco dos valores intrínsecos à sua tradição. Alguns aspectos relevantes:

1. Equilíbrio entre a família e o negócio: os papéis são bem definidos, existem regras claras e transparentes, coesão interna e objetivos comuns.

2. Compromisso com a aspiração da empresa: prevalecem como características o empreendedorismo, o desenvolvimento de visão comum, a agilidade nas decisões e a formação de novas lideranças.

3. Desenvolvimento, sucessão, transição e motivação dos familiares: além de um plano de sucessão para acionistas e altos executivos, ter atenção permanente a todos os aspectos relacionados a essas questões.

Pressionadas pela globalização, a abertura de capital e a necessidade de se redesenhar muitas vezes como condição de sobreviver à nova realidade de mercado, muitas empresas familiares têm diluído o controle, mantendo uma concentração de participações dentro da família.

Descortinar esse universo implica alinhar relacionamentos, reforçar valores e resgatar o legado cultural de uma organização para encontrar um eixo que seja construtivo e que possa sedimentar as bases para processos importantes, como sucessão, gestão de riscos, definição de planos estratégicos.

Alinhar interesses e objetivos, vencendo o centrismo e superando os desejos individuais em detrimento do que é melhor para o negócio, é sempre um grande desafio nas empresas familiares. O que se busca, acima de tudo, é equilibrar o controle familiar com a gestão da empresa, permitindo que ela siga em frente e amplie suas chances de perenidade, sem, no entanto, deixar à margem sua tradição.

Herbert Steinberg é sócio da consultoria Mesa Corporate Governance.

Veja Também

CUPOM FISCAL ELETRÔNICO (CF-e-SAT) A emissão do Cupom Fiscal Eletrônico será obrigatória:1) em substituição ao Cupom Fiscal emitido por equipamento Emissor de Cupom Fiscal - ECF: a part...
Desoneração da folha de pagament Por fim, ressaltamos ainda, que o percentual de 3,5% para empresas que fazem cessão de mão de obra, na forma definida pelo art. 31 da Lei n° 8.212, de...
INSS e Imposto de Renda Retido. Novo Prazo de Reco... A Lei Complementar n° 150/2015 (DOU de 02.06.2015) modificou o prazo de recolhimento da contribuição previdenciária (INSS) dos empregados domésticos, ...
Profissional operacional ou estratégico? Como assim? Muitos profissionais se definem como pró-ativos, como determinados, como formadores de opinião. Muitos tem o ego maior que suas reais c...
Refis: empresas que têm parcelas em aberto devem q... De acordo com a Receita Federal, o pagamento das parcelas até esta terça é uma maneira de garantir que a informação constará no sistema do órgão até o...
A injustiça com o FGTS As discussões que ocorrem no Congresso Nacional em torno do aumento da remuneração dos saldos individuais do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FG...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *