A tradição da empresa deve ser repensada ou não?
Escrito por Herbert Steinberg, especialista em empresas familiares

Conciliar inovação e tradição, encarar e neutralizar os conflitos, promover uma saudável transição de poder e liderança estão entre os principais dilemas de uma organização. Empresas que assumiram a tarefa árdua de promover as mudanças necessárias e aceitaram a missão de buscar a excelência, de certa forma, compartilham de algumas lições que servem de inspiração para quem pretende chegar lá.

Inspiração, sim, a palavra é essa. Porque cada organização terá de encarar seus problemas e seus atributos de valor e, a partir daí, identificar em que alicerces construirá o realinhamento de seus processos de gestão e seu plano de sucessão.

É importante observar o que líderes de empresas bem-sucedidas praticaram e conquistaram ao adotarem as melhores práticas de governança, sem perder o foco dos valores intrínsecos à sua tradição. Alguns aspectos relevantes:

1. Equilíbrio entre a família e o negócio: os papéis são bem definidos, existem regras claras e transparentes, coesão interna e objetivos comuns.

2. Compromisso com a aspiração da empresa: prevalecem como características o empreendedorismo, o desenvolvimento de visão comum, a agilidade nas decisões e a formação de novas lideranças.

3. Desenvolvimento, sucessão, transição e motivação dos familiares: além de um plano de sucessão para acionistas e altos executivos, ter atenção permanente a todos os aspectos relacionados a essas questões.

Pressionadas pela globalização, a abertura de capital e a necessidade de se redesenhar muitas vezes como condição de sobreviver à nova realidade de mercado, muitas empresas familiares têm diluído o controle, mantendo uma concentração de participações dentro da família.

Descortinar esse universo implica alinhar relacionamentos, reforçar valores e resgatar o legado cultural de uma organização para encontrar um eixo que seja construtivo e que possa sedimentar as bases para processos importantes, como sucessão, gestão de riscos, definição de planos estratégicos.

Alinhar interesses e objetivos, vencendo o centrismo e superando os desejos individuais em detrimento do que é melhor para o negócio, é sempre um grande desafio nas empresas familiares. O que se busca, acima de tudo, é equilibrar o controle familiar com a gestão da empresa, permitindo que ela siga em frente e amplie suas chances de perenidade, sem, no entanto, deixar à margem sua tradição.

Herbert Steinberg é sócio da consultoria Mesa Corporate Governance.

Veja Também

A importância de informatizar a empresa e tratar b... Hoje vou responder a duas perguntas de leitores. Primeiro falo sobre a importância de informatizar a empresa e levar seu negócio ao século XXI. Falo t...
eSocial deverá reduzir concorrência desleal entre ... Segundo especialista, as empresas passam a competir em pé de igualdade nas despesas trabalhistas perdendo portanto a 'competitividade' de custos gerad...
Veja 10 direitos dos trabalhadores em caso de demi... De acordo com o advogado trabalhista, Gilberto Bento Jr., nem todos os itens citados valem, em especial os casos de demissão por justa causa comprovad...
Por que o Brasil perde de Ruanda em empreendedoris... Foto: Thinstock São Paulo - Na Copa do Mundo, uma editora de livros tomou um susto quando teve de dar 70% de desconto em seus produtos, depois de ...
Empresas estimulam hábitos saudáveis de seus execu... No combate ao sedentarismo, empresas estimulam a prática de atividade física no alto escalão, inclusive com remuneração variável As grandes companh...
5 frases que você não deve falar se quiser ser bem... O poder da positividade na profissão São Paulo - Seu pensamentos, ações e até mesmo a escolha das palavras podem significar a diferença entre se dest...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *