Na visão dele, não é que as empresas não queiram dedicar mais atenção aos conceitos trazidos pelo IFRS. “Mas a rotina da empresa não permite. É como se o contador tivesse que trocar o pneu do carro com ele andando.”

Edison Fernandes, especialista em contabilidade e sócio do Fernandes, Figueiredo Advogados, encontrou alguns pontos chamados por ele de “críticos” em um levantamento com balanços publicados por 64 companhias de grande porte neste ano.

Ampliar imagemNas notas explicativas sobre práticas contábeis, ele encontrou o seguinte texto para explicar como é feita a provisão para devedores duvidosos: “A baixa dos créditos vencidos é efetuada conforme determina o art. 9º, § 1º, inciso II da Lei nº 9.430/96.” “Essa é a regra fiscal. Não foi feita uma análise do risco de inadimplência”, diz Fernandes.

Em outro caso, a explicação sobre transações com partes relacionadas era esta: “As transações entre a controladora e as empresas controladas são realizadas em condições e preços estabelecidos entre as partes”.

“Não é isso, tem que ser igual ao preço de mercado”, diz o advogado, destacando que a maior parte dos balanços dá aulas de contabilidade nas notas explicativas, com resumo dos pronunciamentos, em vez de detalhar o impacto da regra na empresa.

Em relação às diferenças de práticas contábeis entre as companhias, Fernandes considera que isso não é um problema. “Uma empresa pode fazer o ajuste a valor presente com uma taxa diferente da concorrente. O importante é que as taxas sejam divulgadas para permitir a comparação”, diz ele como exemplo.

Edmir Carvalho, da Anefac, fez um levantamento sobre o impacto do IFRS no patrimônio líquido das companhias abertas brasileiras. Em uma amostra de 115 empresas, o patrimônio aumentou 7,2%, passando de R$ 290 bilhões para R$ 310 bilhões.

Com folga, a norma que teve o maior impacto positivo foi a do ativo imobilizado, que são os prédios, máquinas e equipamentos das empresas. O IFRS permitiu que as empresas atribuíssem um novo valor para esses ativos, caso e custo registrado no balanço estivesse defasado. O impacto positivo dessa regra, antes de impostos, foi de R$ 23,7 bilhões.

Fonte: Valor Econômico

Veja Também

Veja seis erros no currículo que “dizem̶... Um dos objetivos do candidato deve ser que seu currículo seja fácil de ser lido e isso inclui o formato em que o arquivo é enviado É comu...
Fisco fecha o cerco sobre dependentes e profission... Roberta Mello Há pouco mais de uma semana, os contribuintes brasileiros podem emitir a Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (Dirpf) referen...
Novo procedimento de baixa do CNPJ A publicação da Lei Complementar nº 147/2014 introduziu alterações importantes no que se refere ao funcionamento da baixa no Cadastro Nacional da Pess...
Enquadramento no CNAE definirá consequências fisca... Nesse sentido, aquilo que durante muito tempo convencionou-se chamar de “obrigação acessória” ganhou grande relevância. É o caso da classificação no C...
Expediente mais curto diminui ou aumenta sua produ... Longas horas de labuta estão associadas a efeitos agudos de fadiga, como sonolência e desatenção Reduzir a jornada de trabalho não reduz em igual m...
Holding patrimonial pode contornar imposto sobre g... Uma solução para o contribuinte fugir de mais uma tributação é a constituição de uma holding patrimonial, formada pelo patrimônio do titular dos bens,...

Deixe uma resposta