27.03.2015

Nos últimos 26 anos, um total de 320.343 normas tributárias voltadas às pessoas físicas ou jurídicas foram editadas no Brasil. O número representa, em média, 46 novas normas publicadas a cada dia útil. Somente as empresas são obrigadas a seguir, em média, 3.639 normas, ou nada menos do que 40.865 artigos, 95.216 parágrafos, 304.446 incisos e 40.408 alíneas. Os dados são de um levantamento recente do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) e apontam o tamanho do desafio que esse emaranhado de normas, leis e regulamentos impõe às empresas do país.

Segundo o estudo, o entendimento da legislação tributária e a busca pelo acompanhamento das modificações diárias das regras fazem com que as grandes empresas brasileiras gastem R$ 50 bilhões por ano em sistemas, equipamentos e pessoal especializado. Mesmo sem esses recursos à disposição, os pequenos e médios negócios também estão inseridos nesse cenário complexo e começam a despertar para um tema até então restrito às grandes corporações: o planejamento tributário.

“As grandes já contam em seus quadros com profissionais ou departamentos para cuidar desse planejamento, que nada mais é do que uma maneira de encontrar, dentro da lei, o melhor caminho que as leve a uma redução da carga tributária. As pequenas, sem esses recursos, recorrem cada vez mais à assessoria de um profissional contábil. O que não pode é deixar a questão de lado”, diz o consultor do Sebrae/SP, Silvio Vucinic.
Uma relação mais próxima com o contador ou a contratação de uma assessoria especializada permite ao pequeno e médio empreendedor entender com mais propriedade essas mudanças constantes na legislação, quais impostos e tributos recaem sobre seu negócio e quais as alternativas legais para reduzir a carga tributária. O principal ponto que será analisado pelos profissionais contábeis na montagem de um planejamento é se o regime de tributação em que a empresa está enquadrada é o mais adequado para aquele negócio.

“Há uma crença entre os empresários e até um comodismo entre alguns contadores de que, uma vez que o negócio é pequeno, necessariamente precisa ser tributado pelo Simples. Trata­se de um regime mais simples e menos burocrático e em muitos casos é o mais vantajoso. Mas em outros casos, não”, diz o presidente da Sevilha Contabilidade, Vicente Sevilha Jr. A identificação do regime mais benéfico ­ Simples, lucro real e lucro presumido é uma tarefa sob medida e leva em conta uma série de variáveis que acabarão “alimentando” o universo tributário dessa empresa: local onde está sediada, o tipo de atividade que exerce, quem são e onde estão localizados seus fornecedores e clientes, o tamanho dessa cadeia produtiva.

Sevilha lembra que pequenas empresas do setor industrial, que fabricam e vendem mercadorias ­ ou do setor comercial, que compram produtos prontos para revenda ­ estão inseridas no processo de aproveitamento do crédito de impostos pagos nas etapas interiores (como o ICMS para o comércio e o IPI para a indústria). “Ao fazer a opção pelo Simples, a empresa sai dessa cadeia que permite o aproveitamento de créditos tributários. Ela pode até pagar menos IR, mas comercialmente perderá competitividade. É preciso analisar caso a caso”, explica.

O exemplo mostra que cada empresa terá um planejamento tributário único. Ao mesmo tempo, esse plano não deve ser feito apenas com o intuito de conseguir pagar menos IR ao final do exercício. É preciso colocar na balança, também, os outros tributos e impostos. Um exemplo típico é o da empresa enquadrada no lucro presumido, que paga 3% de Cofins e 0,65% de PIS. “O empresário que migra para o lucro real pode até pagar menos IR, mas passará a pagar 7,60% e 1,65%, respectivamente, de Cofins e PIS. Não é possível planejar pensando em um imposto só”, diz Vucinic.
Escritórios contábeis têm como hábito simular, ao final do exercício, como a empresa seria tributada nos três regimes, auxiliando na tomada de decisão do empresário. “Há muitos casos de empresários que desconhecem as questões tributárias e optam por um regime tributário que não traz vantagens. Acabam pagando mais IR do que precisavam”, diz Sevilha. O presidente da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis (Fenacon), Mario Berti, lembra que outro ponto fundamental do planejamento tributário é que ele deve estar vinculado ao plano de negócios e a ao planejamento financeiro da empresa.

Valor Econômico

Veja Também

Por questões de segurança, recibo do IR terá duas ... De maneira geral, os contribuintes precisam entregar uma cópia da declaração para comprovar renda em instituições financeiras, por exemplo, quando con...
Aviso prévio maior vale só para empregado O Ministério do Trabalho confirma a existência do memorando, mas faz a ressalva de que não se trata da posição oficial da pasta.O texto seria apenas u...
Mais de 80% das empresas brasileiras possuem pendê... Ter um negócio e andar na linha não parece uma tarefa simples no Brasil. Uma pesquisa feita pela organização global Endeavor, chamada "Burocracia no C...
Líder: como ter a equipe nas mãos ? Essa pergunta é feita por 10 entre 10 líderes, porém poucos encontram a resposta correta. Como conquistar o respeito e exercer liderança sobre uma eq...
Governo quer devolver imposto, mas contribuinte nã... Mais de 4,4 milhões de brasileiros com mais de 70 anos têm direito a sacar o PIS/Pasep e o Tesouro guardou R$ 7 bilhões para efetuar os pagamentos. Ma...
Ajuste fiscal ajudará a criar sociedade “mai... A equipe econômica do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff tem adotado medidas no sentido de obter maior controle das contas públicas, após o ...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *