As equipes vão ao escritório duas vezes por semana e no restante fazem home office. Donos do negócio de tecnologia da informação dizem que produtividade cresceu.

O futuro do trabalho nas empresas não está só dentro de casa, nem só nos escritórios. O modelo híbrido tem sido o formato preferido de trabalho.

Na empresa de tecnologia da informação da Sonaira San Pedro e do Fernando Valente, o sistema de trabalho é híbrido, porque os empresários perceberam que algumas funções são desempenhadas melhor em casa, outras só no escritório, ou se dividindo entre os dois.

“A gente consegue tirar o melhor de cada um. É melhor quando você está no escritório e consegue fazer um trabalho mais focado com quem está aqui presencialmente. Quando você tem que fazer atividades analíticas, por exemplo, relatórios, estar em casa sem interrupções na maioria do tempo é melhor”, explica Sonaira.

As equipes híbridas comparecem no escritório duas vezes por semana. Para quem está em home office, a empresa fornece acesso a internet e cadeira ergonômica.

Com parte da equipe em casa, a empresa reduziu o tamanho físico e os custos do escritório. No começo da pandemia, investiram na contratação de um psicólogo para evitar ansiedade na equipe.

Para a professora do Insper, Tatiana Iwai, o sistema híbrido mantém melhor a balança entre as necessidades da empresa e a saúde do funcionário.

“Todos os benefícios em termos de redução de custos e de flexibilidade para o colaborador são alcançados no sistema híbrido. Por outro lado, eles conseguem minimizar algumas das desvantagens trazidas pelo modelo 100% remoto. O face a face é um fator motivacional importante”, afirma Tatiana.

Mas o sistema também cria desafios. O primeiro é o controle do trabalho dos colaboradores em casa. Para isso, os empresários colocaram o ponto eletrônico. Mas, para eles, a legislação trabalhista não acompanhou as mudanças no mercado.

“Muitas vezes, um funcionário é mais produtivo fora do horário comercial. Mas a legislação trabalhista não nos permite”, afirma Sonaira.

“Faz sentido que os líderes de cada time consigam estabelecer algumas regrinhas sobre o momento em que as pessoas precisam estar online, dar uma certa previsibilidade de maneira a ajudar o colaborador a estabelecer essas linhas”, explica a professora do Insper.

No geral, contando todos os modelos, houve um aumento de 10% na produtividade da empresa de tecnologia. A experiência com o sistema híbrido aponta um novo futuro.

“Um dos grandes receios que havia com o home office é que haveria uma queda de produtividade. E no fundo, o que a pandemia nos ensinou, é que esse receio acabou não se traduzido em realidade, pelo contrário, as pessoas estão até trabalhando mais, há um aumento de produtividade”, diz Tatiana.

Fonte: g1 Por Marcelo Baccarini

Veja Também

País é campeão em diversidade de alíquotas Na Alemanha, são duas alíquotas: 7% (água, livros e produtos agrícolas, por exemplo) e 19% (restaurantes, roupas e sapatos). Na Dinamarca, nem isso: q...
Elisão e evasão fiscal Considerações sobre elisão e evasão fiscais Cumpre ressaltar, de plano, que existe uma clara distinção entre evasão e elisão fiscal, a qual se pass...
O STF e a base de cálculo do PIS/Cofins Decisão do Supremo pode ter uma série de consequências, inclusive algumas não previstas Na semana passada o Supremo Tribunal Federal (STF) decidi...
Mesmo ao pedir demissão posso sacar meu FGTS? O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS, foi instituído pela Lei 5.107/1966, é regido pela Lei 8.036/1990 e alterações posteriores, com o objet...
FAÇA SUA EMPRESA SER UM SUCESSO E a lâmpada, se não fosse Thomas Edison com suas tentativas e erros - e não foram poucos, mais de 1.400 tentativas até acertar para chegar na lâmpada ...
Novo ponto eletrônico é adiado pela quinta vez A implantação do novo ponto eletrônico deverá ser a partir de 2 de abril de 2012 para as empresas que exploram atividades na indústria, no comércio em...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta