Considerando a crise econômica que afeta o Brasil há pelo menos três anos, o brasileiro tem procurado alternativas para conseguir se sustentar. Uma delas, que vem crescendo bastante, é o empreendedorismo e, com ele, a abertura de novas empresas. Essas empresas podem se deparar com a possibilidade de investimentos em títulos emitidos por corporações. É aí que entra a alternativa da holding empresarial, um tipo de organização que permite que uma entidade e seus diretores controlem ou exerçam influência em subsidiárias. Para apresentar as vantagens e as desvantagens da abertura de uma holding, o Jornal da Lei conversou com o advogado especialista em Direito Empresarial Ricardo Coelho.

Jornal da Lei – Para que serve a holding empresarial?

Ricardo Coelho – Quem define o que é uma holding é a Lei nº 6.404, de 1976, a chamada Lei das Sociedades Anônimas. Ela permite que uma empresa possua ativos em outras empresas, mas ela, por si só, na maioria dos casos, não atua no mercado. Assim, a empresa mantém majoritariamente ações de outras empresas, tem o poder de controle e grande mobilidade, não precisa operar comercialmente e não deve operar industrialmente, e manter ações de outras empresas com finalidade de investimento. É como um sistema de gestão, organiza todo o processo, e o capital fica distribuído entre as empresas. Dependendo do tipo de holding, todo o patrimônio pode ficar alocado em uma. É daí que vem aquela questão que tanto se fala, a blindagem patrimonial, mas não é bem assim. Embora a holding traga um nível de segurança para o patrimônio, não constitui uma blindagem. Existe uma crença de que, se colocar numa holding, nada acontece com o patrimônio. Mas, se houver um processo trabalhista e o empresário for condenado e não pagar os valores indicados, o processo segue, e pode haver desconsideração de personalidade jurídica para alocar o patrimônio que está dentro da empresa para alocar a pessoa física. A blindagem não é 100%.

JL – Quando vale a pena criar uma holding?

Coelho – Quando a análise prévia indicar uma redução no pagamento de impostos e quando beneficiar nas questões legais – produção de bem capital, implicações financeiras e operacionais. A alternativa não é vantajosa quando o empresário possui um patrimônio reduzido, que não justifica a abertura de uma empresa para gerenciar isso. O patrimônio, em si, não precisa ser muito volumoso – se forem dois imóveis, um de família e outro para investimento, por exemplo, já se torna uma alternativa de proteção. Também existe a vantagem de que não existe uma regra definida. A ideia é que ocorra um benefício fiscal. Por exemplo, uma holding imobiliária, quando loca ou vende, será tributada em 27,5% se for via pessoa física. Se for por uma holding, cai para a casa dos 13%, 14%.

JL – A holding é recomendada apenas para grandes empresas?

Coelho – Existe uma tendência muito forte de que médias empresas já possam adotar. A partir do momento em que se organiza em uma holding, há a tendência de racionalizar custos. Suponhamos que duas pessoas tenham uma holding: elas começam a adquirir participação em várias outras empresas. Em vez de ter um departamento de marketing, um financeiro em cada uma dessas empresas, é possível centralizar tudo em uma holding, definindo todas as políticas a serem aplicadas nas demais empresas. É um controle majoritário. E a constituição de uma holding não é um processo demorado, é até bem célere. O mais demorado é a análise para verificar se vai haver benefício tributário, para ver se vale mesmo a pena constituir uma holding, mas o processo é simples.

JL – Há também a modalidade de holding familiar.

Coelho – Isso. É possível pegar o patrimônio da família e jogar em uma holding. Daí, se estabelecem cláusulas, e o uso fruto do patrimônio é determinado. Quando a pessoa falecer, em vez de fazer um inventário, que é um processo demorado, as cotas vão ser transferidas para os filhos ou filhas. Assim, o inventário se torna desnecessário. Além disso, também é uma vantagem, porque todo o patrimônio está ali e, na declaração do Imposto de Renda, em vez de declarar todos os imóveis, pode declarar que possui um valor percentual de uma empresa holding limitada. O patrimônio deixa de constar no CPF e passa a constar no CNPJ da empresa.

Fonte: Jornal do Comércio

Veja Também

Gestão dos documentos fiscais Desde a 1ª nota fiscal eletrônica com validade jurídica emitida em 2006, a maioria das empresas recebe Notas Fiscais Eletrônicas (NF-es) de seus forne...
Empresas já podem fazer Escrituração Fiscal Digita... - Aos fatos geradores ocorridos a partir de 1º de abril de 2011: Pelas pessoas jurídicas que estiveram submetidas a acompanhamento econômico-tributári...
Operações em dinheiro estão na mira da Receita Duas semanas após a maior apreensão de dinheiro vivo da história do País - a descoberta de R$ 51 milhões em um apartamento em Salvador usado pelo ex-m...
Resolução amplia atividades com acesso ao regime t... A resolução estabelece dois limites para enquadramento ao Simples, sendo o primeiro, de 3,6 milhões de reais para vendas no mercado interno ao ano, e ...
Receita irá excluir empresas com débitos do Simple... A Receita Federal do Brasil informou recentemente que, a partir deste mês de setembro, irá notificar as empresas do Simples Nacional que possuem débit...
Receita federal exige comprovantes hábeis de todas... Lembramos que, em caso de Fiscalização, as operações financeiras praticadas pelas pessoas físicas e jurídicas devem ser comprovadas mediante a apresen...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta