O juiz da 2º Vara do Trabalho, em Montes Claros, no Norte de Minas, usou a nova Lei Trabalhista para condenar o empregado de uma empresa de bebidas as custas do processo, além de multa de 5% sobre o valor corrigido da causa. Isso porque, de acordo com a sentença, ele agiu de ma-fé e mentiu no processo.

No processo, o funcionário da empresa alegou que era obrigado a vender 10 dias de suas férias anuais, podendo tirar apenas 20 dias de descanso. Porém, existia na Vara outro processo relacionado à mesma empresa em que outro funcionário acionava a Justiça pedindo diferenças salariais por ter substituído o autor da ação exatamente pelo prazo de 30 dias.

Na sentença, o juiz Sérgio Silveira Mourão destacou que os pedidos são incompatíveis entre si e apresentam versões diferentes sobre o mesmo tipo de situação. “A omissão referente ao exato período de férias, verificado no processo, constitui silêncio eloquente que desmascara a verdadeira intenção processual em buscar benefício indevido – o que não pode ser tolerado pelo Poder Judiciário”, escreve o juiz.

As duas causas apesar de terem sido apresentadas em momentos diferentes, foram feitas pelo mesmo advogado. Além disso, a empresa acusada da prática alegou nos autos que o funcionário ocupava cargo de confiança, o que ajudou a ter as demandas pedidas por ele indeferidas.

De acordo com o advogado Fernando de Castro Neves, sócio da Advocacia Castro Neves Dal, a novidade do caso é o juiz já usar a nova regra. “Uma novidade foi que a sentença entendeu pela aplicação imediata da Lei nº 13.467/17. Assim, de acordo com as novas regras, o magistrado decidiu condenar a parte autora no pagamento de honorários advocatícios, no importe de 15% sobre o valor que resultar da liquidação dos pedidos formulados pelo reclamante e que foram indeferidos”, completa o advogado.

Fonte: Em.com.br o maior portal de Minas Gerais

Veja Também

Confira 10 comportamentos inadequados no local de ... Para não comprometer o sucesso da carreira, os especialistas listam 10 atitudes que o profissional deve evitar no ambiente corporativo. Fique atento a...
E-social – mudança de paradigmas nas rotinas... Até pouco tempo atrás a implantação do e-Social ainda estava distante e sem um cronograma realista fechado. O Comitê Diretivo então estipulou um pr...
Contabilidade: por onde começar e onde termina? A Contabilidade registra todas as atividades financeiras e econômicas das empresas O tema Contabilidade não é de fácil entendimento para a maioria do...
Simples Nacional – Receita Divulga Regras do Parce... O valor mínimo da parcela é de R$ 300,00 (trezentos reais). Através da Instrução Normativa RFB 1.508 de 2014 foram determinadas as regras para parc...
Como funciona a Lei de Cotas para deficientes em e... Por iG São Paulo - Ana Lis Soares | 20/03/2016 09:00 Saiba o que é a Lei que garante a contratação de pessoas com deficiência, além das consequênci...
Empresas passam a declarar IRPJ e CSLL via Sped Fi... Segundo a consultora tributária Eliane Gomes, da Moore Stephens Prisma Auditores e Consultores, “a ideia é a de que, com a EFD-IRPJ, seja eliminada, a...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *