O Bloco K é a versão digital do Livro de Registro de Controle da Produção e Estoque e contém informações da produção, insumos e estoque escriturado da empresa. Para a Receita Federal, o envio do Bloco K ajuda a identificar a sonegação fiscal, pois o órgão consegue cruzar as informações, analisar dados de estoque e verificar se os impostos estão sendo recolhidos de maneira correta.

Em janeiro de 2019 terá uma nova fase do Bloco K, que deve ser transmitido pelos estabelecimentos industriais classificados nas divisões 11, 12 e nos grupos 291, 292 e 293 da CNAE de forma completa. Os demais estabelecimentos industriais classificados nas divisões 10 a 32, estabelecimentos atacadistas classificados nos grupos 462 a 469 da CNAE e estabelecimentos equiparados a industrial, em 2019 deverão entregar os saldos de estoques escriturados nos Registros K200 e K280.

Para que todos os processos estejam de acordo com a obrigatoriedade e sejam entregues de forma mais eficaz, é fundamental alinhar as informações e tomar alguns cuidados. Luciana Vargas, consultora fiscal do Myrp, sistema online para emissão de documentos fiscais eletrônicos e gestão empresarial, orienta para alguns pontos que são imprescindíveis:

– Verifique se o cadastro de produtos da sua empresa está correto;

– Analise se os produtos estão categorizados de forma correta. Exemplo: se um produto que está categorizado como matéria-prima será realmente utilizado como matéria-prima, ou um produto que está como uso e consumo, é realmente para uso e consumo;

– Certifique-se que todos os produtos que estão cadastrados no seu sistema serão utilizados realmente para a finalidade que estão cadastrados;

– Converse com o seu contador para verificar de que forma sua empresa pode alinhar suas informações para transmitir estas obrigações;

– Se sua empresa realiza operações com terceiros, converse com seu cliente/fornecedor e certifique-se que as notas fiscais estão sendo emitidas de forma correta, pois isso irá gerar baixa de estoque, e informações que irão para o Bloco K;

– Alinhe os processos com seus colaboradores e explique a importância de que tudo seja documentado;

– Invista em um sistema para auxiliar neste processo que é totalmente delicado pelo nível de detalhes de informações que devem ser transmitidas;

– E, acima de tudo, certifique-se de que sua empresa está agindo de forma correta em relação a estas operações, pois é isso que vai definir se o processo de transmissão do Bloco K será tranquilo ou se irá gerar problemas e dor de cabeça.

Tudo isso pode ser ajustado com mais precisão e segurança com a utilização de um software de gestão qualificado e de confiança. É uma ferramenta importante para administrar essa obrigação e coletar todas as informações necessárias para o Bloco K, e sendo também uma importante aliada na gestão da empresa.

Fonte: SESCON

Veja Também

Como escolher a tributação? Para iniciar o assunto faz-se necessário deixar claro que você não precisa estudar profundamente as regras de tributação, até porque o seu foco deve s...
O resultado das leis trabalhistas Neste contexto e realidade, visualizamos à frente um horizonte turvo, pois no ano em que a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) completa 70 anos, c...
Sinais de que você pode estar sofrendo da Síndrome... Também conhecida como Síndrome do Esgotamento Profissional, ela tem nos workaholics suas vítimas potenciais Nestes tempos bicudos, num pa...
Burocracia tributária mata as empresas Revestida de normas, regras e guias, a burocracia advinda do nosso sistema tributário podem ser em muitos casos mais assustadora que a própria carga ...
Governo amplia direito de abater PIS e Cofins na f... Como a economia para empresa pode ser de quase 50% dos gastos na fabricação de um determinado produto, especialistas afirmam que as empresas já começa...
Distorções no seguro-desemprego Novas regras acabarão com o intolerável "jeitinho brasileiro" de se dar bem Em vigor desde 17 de junho, as novas regras do seguro-desemprego ajusta...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta