A discussão da reforma tributária trouxe de volta uma antiga dor de cabeça dos brasileiros: o pagamento de impostos. Pesquisa recente mostrou que quase metade do que a gente ganha vai para o governo. Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação, em 2003 o brasileiro gastava 36% da renda pra pagar a tributação sobre rendimentos, consumo e patrimônios. Em 2020, este número subiu para 41,25%.

Imagine, então, pensar que o contribuinte trabalhou até o dia 30 de maio só para pagar impostos, taxas e contribuições para o governo. Foi também o que revelou, de forma preocupante, esse mesmo levantamento.

Diante desse cenário e mediante a perspectiva de mudanças, o contribuinte deve pensar no planejamento tributário estratégico, agressivo e de resultado para frente. É hora de aproveitar o momento delicado para promover aquelas revisões fiscais deixadas de lado, nas quais as oportunidades de crédito ainda estão à disposição do empresário.

É fato que a pandemia da Covid-19 trouxe a busca por créditos tributários para o foco de interesse do setor produtivo, mas também é público e notório que aqueles empresários que já vinham com um planejamento constante tiveram os melhores resultados em meio à crise e é preciso dizer: a própria Justiça está decidindo em favor do contribuinte. Planejar é preciso, e nunca uma ferramenta de redução legal de carga tributária foi tão festejada, pois fez a diferença na manutenção de muitos empregos e segurou muitos números.

Ainda que a reforma traga uma pseudo-simplificação da estrutura tributária nacional, como a unificação de alguns impostos e contribuições, não vai trazer redução da carga tributária, ao menos, em um primeiro momento. Não vai satisfazer a todos e ainda vai trazer um panorama de incertezas. O empresário vai precisar de um planejamento estratégico e de um suporte técnico de qualidade para uma visão teórica da nova tributação, o entendimento das incidências, e a busca pela redução da carga tributária de forma legal, adequada a cada segmento. Ainda há tempo de buscar as oportunidades do passado, organizando a casa no presente e planejando o futuro.

Fonte: conjur.com.br Por Por Denise Machado da Rosa

Veja Também

Após resultado ruim, Receita deve elevar fiscaliza... Subsecretário do fisco colocou a sonegação previdenciária via Simples Nacional como um dos alvos São Paulo - Operações irregulares no Simples Nac...
Prazo de entrega da DAS termina neste mês A entrega da DAS é anual e obrigatória. Garante benefícios como cobertura previdenciária, contratação de um funcionário com menor custo, diminuição de...
10 qualidades indispensáveis para um bom profissio... 1 - Capacitação técnica específica Esta continua sendo a principal e fundamental exigência. Se você não estiver apto a exercer bem a função que ple...
Conheça o benefício tributário para doações entre ... Isenção de imposto sobre doações ocorre no estado de São Paulo, e dispensa de declarar operações como doações vale para todo o país São Paulo - Exi...
Declaração do IR 2015 deve ser entregue entre 2 de... A Receita Federal publicou nesta quarta-feira, 3, no Diário Oficial da União (DOU) com as regras para apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Im...
Receita regulamenta tributação de remessas ao exte... As alterações valem para quantias remetidas ao exterior e destinadas ao pagamento de serviços de turismo A Receita Federal estabeleceu novas regras...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta