No pós-pandemia, trabalho remoto pode ser combinado a encontros semanais na sede das empresas

O isolamento forçado pelo novo coronavírus provou que é possível trabalhar a distância, mas ainda é cedo para classificar o regime remoto como ideal. Opção declarada de muitas empresas para o “novo normal” pós-pandemia, o home office traz desafios do ponto de vista operacional, humano e, sobretudo, da cultura corporativa.

Para executivos e profissionais de recursos humanos, a calibragem do modelo depende de variáveis, como natureza do negócio e infraestrutura, e ainda haverá uma curva de aprendizado após o fim da pandemia.

Longe de serem triviais, as reflexões sobre o home office inquietam executivos de alto escalão. Em recente postagem no LinkedIn, o diretor executivo de Finanças e Relações com Investidores da Vale, Luciano Siani, compartilhou sua preocupação com as possíveis limitações do “home office em massa” e seus efeitos sobre a cultura organizacional.

“As interações virtuais se beneficiam dos relacionamentos construídos ao longo de muitos anos. Sem contato humano frequente, será que esse ‘capital relacional’ se deteriora ao longo do tempo, reduzindo a eficácia virtual? Como se desenvolverá a cultura da organização, que está por trás da magia de empresas de sucesso?”, destacou Siani na postagem.

Para Mariana Malvezzi, psicóloga e professora de Gestão de Pessoas e Cultura Organizacional na ESPM São Paulo, mesmo que a cultura favoreça a adaptação, os funcionários podem apresentar dificuldades por suas características pessoais.

Ela avalia que flexibilidade é a palavra chave e se tornou “questão de sobrevivência”. Iniciada pelo local de trabalho na pandemia, agora a flexibilização tende a chegar a outros processos internos.

O presidente do SantanderSergio Rial, defendeu recentemente em uma transmissão online que ainda há um aprendizado pela frente sobre trabalho remoto, cuja implantação em escala requer uma discussão mais ampla. O executivo acredita que a criação de valor se dá pela interação humana e defende que quem optar pelo home office terá que fazê-lo por ao menos dois anos, demonstrando compromisso.

“Mas tem que estar no escritório pelo menos uma vez por semana, porque senão você terceirizou a sua cultura. E nós não queremos terceirizar nossa cultura, queremos que a pessoa permaneça conectada”, disse.

XP Investimentos, que anunciou a adesão permanente ao home office, vai criar a Villa XP, um campus no interior de São Paulo justamente para promover esses encontros esporádicos.

Defensor do modelo híbrido de trabalho, o sócio da consultoria Page Executive, Rafael Meneses, diz  que os desafios do home office passam pela adaptação do comportamento humano, mas também da infraestrutura e da tecnologia do negócio, essenciais para viabilizar esse regime.

Para o executivo, é preciso equilibrar os prós e contras dessa equação. “O trabalho em home office traz muitos ganhos em termos de perder amarras psicológicas. Controlar tudo é passado. É preciso dar autonomia”, diz. “Por outro lado, grandes ideias muitas vezes são fruto da colisão. Costumo dizer que a distância não é ruim, estar próximo que é melhor”, brinca Meneses.

A sócia líder de capital humano da KPMG no Brasil e na América do Sul, Luciene Magalhães, diz que as características de cada negócio influenciam a margem de adoção do regime remoto. Após uma análise por departamento, o grupo concluiu que hoje consegue manter 40% do quadro remoto.

O serviço de auditoria de empresas feito pelo grupo, por exemplo, requer o trabalho em campo. Isso era feito de forma 70% presencial até a pandemia. Se tiver que mudar isso, talvez a KPMG tenha que pensar em recrutar profissionais mais experientes e deixar de lado a tradição de formar talentos para o mercado, pondera a executiva.

Fonte: http://imoveis.estadao.com.br/

Veja Também

PRORROGAÇÃO DO DAS DE JANEIRO/2021 Publicada no DOU de 29.01.2021, a Resolução CGSN n° 157/2021, dispondo sobre a prorrogação dos tributos apurados no âmbito do Simples Nacional. A ...
Nova regra do ICMS já altera a vida das lojas virt... Lei que entrou em vigor no dia 1º amplia carga tributária e, sobretudo, o peso da burocracia em negócios optantes pelo Simples Nacional; entenda a nov...
Novo Refis: migração do PRT para o PERT Em 21/06/2017 a Receita Federal do Brasil publicou a Instrução Normativa – IN n. 1.711, regulamentando o Programa Especial de Regularização Tributária...
Profissional liberal terá de identificar clientes ... A partir da última quinta-feira (1º), os profissionais liberais terão de identificar os clientes pessoas físicas que pagarem por seus serviços. Estão ...
Sonegação fiscal, um crime praticado por muitos Por Amarildo Cruz Nos últimos meses temos visto muitas manifestações nas ruas do Brasil de pessoas pedindo o fim da corrupção. Essa prática, extremam...
Receita publica instrução que altera procedimentos... A cada ano, o Fisco aperta o cerco contra os contribuintes sonegadores ou desatentos na hora de preencher a declaração. Em 2011, a Receita, além das i...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta