No pós-pandemia, trabalho remoto pode ser combinado a encontros semanais na sede das empresas

O isolamento forçado pelo novo coronavírus provou que é possível trabalhar a distância, mas ainda é cedo para classificar o regime remoto como ideal. Opção declarada de muitas empresas para o “novo normal” pós-pandemia, o home office traz desafios do ponto de vista operacional, humano e, sobretudo, da cultura corporativa.

Para executivos e profissionais de recursos humanos, a calibragem do modelo depende de variáveis, como natureza do negócio e infraestrutura, e ainda haverá uma curva de aprendizado após o fim da pandemia.

Longe de serem triviais, as reflexões sobre o home office inquietam executivos de alto escalão. Em recente postagem no LinkedIn, o diretor executivo de Finanças e Relações com Investidores da Vale, Luciano Siani, compartilhou sua preocupação com as possíveis limitações do “home office em massa” e seus efeitos sobre a cultura organizacional.

“As interações virtuais se beneficiam dos relacionamentos construídos ao longo de muitos anos. Sem contato humano frequente, será que esse ‘capital relacional’ se deteriora ao longo do tempo, reduzindo a eficácia virtual? Como se desenvolverá a cultura da organização, que está por trás da magia de empresas de sucesso?”, destacou Siani na postagem.

Para Mariana Malvezzi, psicóloga e professora de Gestão de Pessoas e Cultura Organizacional na ESPM São Paulo, mesmo que a cultura favoreça a adaptação, os funcionários podem apresentar dificuldades por suas características pessoais.

Ela avalia que flexibilidade é a palavra chave e se tornou “questão de sobrevivência”. Iniciada pelo local de trabalho na pandemia, agora a flexibilização tende a chegar a outros processos internos.

O presidente do SantanderSergio Rial, defendeu recentemente em uma transmissão online que ainda há um aprendizado pela frente sobre trabalho remoto, cuja implantação em escala requer uma discussão mais ampla. O executivo acredita que a criação de valor se dá pela interação humana e defende que quem optar pelo home office terá que fazê-lo por ao menos dois anos, demonstrando compromisso.

“Mas tem que estar no escritório pelo menos uma vez por semana, porque senão você terceirizou a sua cultura. E nós não queremos terceirizar nossa cultura, queremos que a pessoa permaneça conectada”, disse.

XP Investimentos, que anunciou a adesão permanente ao home office, vai criar a Villa XP, um campus no interior de São Paulo justamente para promover esses encontros esporádicos.

Defensor do modelo híbrido de trabalho, o sócio da consultoria Page Executive, Rafael Meneses, diz  que os desafios do home office passam pela adaptação do comportamento humano, mas também da infraestrutura e da tecnologia do negócio, essenciais para viabilizar esse regime.

Para o executivo, é preciso equilibrar os prós e contras dessa equação. “O trabalho em home office traz muitos ganhos em termos de perder amarras psicológicas. Controlar tudo é passado. É preciso dar autonomia”, diz. “Por outro lado, grandes ideias muitas vezes são fruto da colisão. Costumo dizer que a distância não é ruim, estar próximo que é melhor”, brinca Meneses.

A sócia líder de capital humano da KPMG no Brasil e na América do Sul, Luciene Magalhães, diz que as características de cada negócio influenciam a margem de adoção do regime remoto. Após uma análise por departamento, o grupo concluiu que hoje consegue manter 40% do quadro remoto.

O serviço de auditoria de empresas feito pelo grupo, por exemplo, requer o trabalho em campo. Isso era feito de forma 70% presencial até a pandemia. Se tiver que mudar isso, talvez a KPMG tenha que pensar em recrutar profissionais mais experientes e deixar de lado a tradição de formar talentos para o mercado, pondera a executiva.

Fonte: http://imoveis.estadao.com.br/

Veja Também

Escrituração Fiscal Digital do PIS/Pasep e da COFI... Sua obrigatoriedade aplica-se às empresas sujeitas a tributação com base no Lucro Real, Lucro Presumido e Arbitrado, não se estendendo às empresas tri...
5 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O ESOCIAL E OS RISCO... Entrevista com a especialista em Ergonomia Prof. Lucy Mara Baú, sobre as principais mudanças do eSocial referente aos riscos ergonômicos na fase final...
99% do Sped estará concluído em 2015 O processo de transformação do sistema de escrituração brasileiro começou a ser desenhado em 2005, mas só em 2007 houve um decreto instituindo o Siste...
O resultado das leis trabalhistas Neste contexto e realidade, visualizamos à frente um horizonte turvo, pois no ano em que a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) completa 70 anos, c...
5 tecnologias que podem tirar o seu negócio da cri... Em um mundo cada vez mais conectado, os recursos tecnológicos podem representar a sobrevivência de uma empresa frente às dificuldades impostas pelo mo...
Setor industrial aguarda decisão sobre desoneração... THAIS CARRANÇA A indústria brasileira aguarda para esta semana um posicionamento da presidente Dilma Rousseff sobre a continuidade da política de d...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta