Por mais que todo empreendedor precise de ousadia e coragem, também é fundamental possuir conhecimentos técnicos e práticos sobre o segmento de mercado que pretende atuar. Aqueles que optam pelo modelo de franquias contam, na maioria das vezes, com suporte de uma equipe que não orienta apenas a produção, mas também a escolha e negociação do ponto comercial, usando estudos e pesquisas geográficas, por exemplo.

Segundo o consultor da Franchise Solutions, Pedro Almeida, existem algumas regras cruciais para ter sucesso na seleção do ponto comercial . “O primeiro passo é analisar quantos negócios similares existem naquela área”, explica. “Também é necessário estudar o crescimento da população local e identificar os padrões de tráfego”, complementa. Confira dicas de algumas redes que estruturam estratégias para auxiliar os franqueados nesta tarefa:

1) Conheça o seu negócio

Qualquer que seja o segmento, a primeira etapa é conhecer muito bem o negócio para definir a melhor localização, a fim de estar mais próximo possível do público-alvo. “Com um bom plano de negócio, o estudo do ponto aumenta muito a chance de você ter sucesso. Por exemplo, um negócio que necessita de promoção ativa, isto é, promotores de venda, a importância deste ponto estar próximo da loja, num lugar que passa um fluxo mínimo de pessoas do público-alvo é essencial. Às vezes, é melhor uma sobreloja no grande fluxo do que um imóvel térreo a 30 metros desse ponto”, garante Fernando Massi, diretor da OrthoDontic, rede de franquias pioneira em serviços ortodônticos

2) Facilidade de acesso

Não pense apenas em estar perto do cliente. É preciso levar em consideração como ele chegará até você: se costuma frequentar shopping ou prefere às ruas, se irá de carro ou ônibus. Algumas empresas se guiam por esses fatores para determinar os locais mais propícios, como a rede de farmácias mineira Compre Certo. “Um fator importante é que a loja esteja no lado positivo, sentido centro-bairro, que o local tenha estacionamento e que seja, preferencialmente, um ponto de esquina, com grande fluxo de pedestres e de fácil acesso”, pondera o sócio-diretor, Reinaldo Nascimento.

3) Fluxo de pessoas e potencial de consumo

Observar onde o fluxo de pessoas é mais intenso, o que, em tese, representa maiores chances de atração de clientes, também é importante. Uma dica é fazer visitas ao local em dias e horários diferentes, para analisar esse fluxo e as características de consumo da região. Essa tática facilitará não só a escolha do ponto, como também a futura criação de estratégias para ampliar as vendas.
A Credfácil, rede de serviços financeiros, indica os pontos mais táticos ao segmento. “Damos preferência para locais perto de redes bancárias, farmácias e praças, tendo em vista que nosso público-alvo, os aposentados e pensionistas, circulam mais nessas regiões”, revela o presidente André Oliveira.

4) Concorrência

Ficar longe de concorrentes pode ser uma ótima opção para lguns negócios , mas para outros, como lojas de móveis, a melhor opção é estar perto deles. Esse consumidor não fará uma compra por impulso, demandando pesquisas e cotações e a proximidade com demais lojas desse segmento será vantajoso.
“Deslocamos um profissional para fazer algumas avaliações nos imóveis e nas redondezas, tais como fluxo de pessoas, espaço interno bom para a disposição dos produtos, estacionamento no local ou próximo, vida econômica da região aonde o espaço se localiza e vocação do local para uma loja de colchões ou que estejam mais próximo aos concorrentes, já que essa proximidade é um ponto a favor para nós”, ressalta Claudinei dos Anjos, presidente da Anjos Colchões.

5) Condições de higiene

Este item não costuma ser muito lembrado, mas a questão da higiene do local pode e deve ser determinante. Além de observar na qualidade do revestimento, que pode demandar mais limpeza e manutenção e, consequentemente, mais custo, fique atento se a construção atende as especificações do negócio, principalmente se for do segmento de alimentação.
Na rede de franquias Casa de Bolos, especializada em bolos caseiros, por exemplo, esse aspecto é essencial. “É muito importante que o franqueado entenda qual o tipo de imóvel ele deve buscar para a instalação da nossa operação, atendendo não apenas as nossas características operacionais, mas também as exigências sanitárias e legislativas do local. Utilizamos o manual de prospecção para informar e listamos as características principais e as consultas prévias que devem ser realizadas junto aos órgãos municipais”, revela Rodrigo Farinelli, gerente de marketing da rede.

6) Pontos prontos

Buscar um ponto comercial que já tenha atendido empresas do mesmo segmento é outra boa opção. “Avaliamos aqueles mais ‘prontos’ possíveis, ou seja, aqueles que requerem menor reforma e adaptação. São locais que eventualmente já foram uma cafeteria, doceria ou restaurante, por exemplo. Só depois que, então, começamos o contato e as primeiras negociações de aluguel, para que todos os franqueados tenham um custo ocupacional máximo de até 8% sobre o faturamento bruto do primeiro ano”, ressalta Renato Flora, sócio e diretor da Saladenha, rede de franquias especializada em alimentação saudável.

Fonte: Economia – iG

Veja Também

13 motivos que podem levar à justa causa no trabal... Ato de improbidade e condenação criminal são alguns deles Por: (*) Gilberto de Jesus da Rocha Bento Júnior Os empregadores no Brasil sempre fica...
Ata de Reunião ou Assembléia de Sócios: Mera obrig... Por: Rogério Aleixo Pereira (*) Como todos os anos desde a mudança do Código Civil, as empresas em geral tem o dever legal de realizar, até os quat...
Empresas do Simples Nacional terão que ter certifi... Resolução CGSN 122/2015 Através da Resolução CGSN 122/2015 ficou estabelecido a obrigatoriedade da exigência da Certificação Digital para empresas ...
Prestes a vigorar, ponto eletrônico ainda é polêmi... "Nós da Fiec (Federação das Indústrias do Estado do Ceará) e do CIN (Centro Internacional de Negócios) vemos com bastante ceticismo, até como um retro...
Dois terços dos que aderiram foram excluídos do Re... Segundo o subsecretário de arrecadação e atendimento da Receita, Carlos Roberto Occaso, o restante dos contribuintes (63,2%) apenas pegou a Certidão N...
Nova lei do aviso prévio retroage até data de ediç... Até a edição da Lei 12.506/2011, o único prazo legal era de 30 dias, inclusive para os domésticos (Constituição, artigo 7º, inciso XXI, parágrafo únic...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *