Saiba como funciona a semana reduzida de trabalho nas companhias que já adotaram a modalidade, quais são as vantagens e as desvantagens e o que diz a legislação.

Trabalhar quatro dias por semana sem ter o salário reduzido pode ser a nova tendência do mercado de trabalho. O motivo? Oferece bem-estar, qualidade de vida e melhora a produtividade dos funcionários. E já tem empresas — no Brasil e em outros países — que adotaram o modelo de trabalho (entenda mais abaixo). E não é à toa. Cada vez mais as pessoas optam em trabalhar para empresas que oferecem flexibilidade. Uma pesquisa realizada pelo International Workplace Group (IWG), publicada em 2019, por exemplo, mostra que 83% dos profissionais são mais produtivos em uma rotina flexível.

QUAIS SÃO AS VANTAGENS DE TRABALHAR 4 DIAS POR SEMANA?

Ser workaholic — viciado em trabalho — ficou no passado. Ao menos é o que mostra um teste realizado na Islândia em que os profissionais receberam o mesmo salário por menos horas de trabalho. O resultado foi surpreendente: os trabalhadores relataram que o bem-estar e o equilíbrio entre vida profissional e pessoal aumentaram. A produtividade, por sua vez, manteve a mesma e, em alguns casos, aumentou. 

O estudo foi realizado com 2.500 funcionários — cerca de 1% da população ativa do país — entre 2015 e 2019 e foi conduzido pela Câmara Municipal de Reykjavik e pelo governo nacional. O resultado vai de encontro com a pesquisa global realizada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em parceria com a OIT (Organização Internacional do Trabalho) em que mostra que as jornadas excessivas de trabalho estão matando milhares de pessoas por ano.

Além disso, segundo Marta Pimenta de Brito, professora e psicóloga especialista clínica e trabalho, outras vantagens são estresse reduzido, menor risco de burnout e mais tempo para ficar com a família. “Também melhora os padrões de sono e tem mais tempo para praticar exercício físico. […] Na minha atividade clínica diária — com pacientes em que atendo no consultório e das empresas que acompanho —, noto que no dia a dia agitado que as pessoas têm vivido, elas sentem, muitas vezes, medo de parar. Muitos até têm medo do silêncio.” Desta forma, a semana de quatro dias pode ser uma boa alternativa para o bem-estar.

E AS DESVANTAGENS?

Há o risco de acúmulo de horas nos dias trabalhados. Por exemplo, se o funcionário tem uma demanda grande de trabalho, será muito difícil que ele consiga se ajustar à semana de quatro dias. Por isso, é importante alinhar o volume de trabalho do profissional com o benefício oferecido. Outro ponto, segundo Marta, é não usar o dia livre para usar eletrônicos. “Coisas simples como apreciar a brisa do mar, os passarinhos ou convidar alguém para almoçar pode passar completamente despercebido se o foco for o smartphone”, diz ela.

COMO FUNCIONA NAS EMPRESAS QUE JÁ ADOTARAM?

Além da Islândia, países como Nova Zelândia e Japão estudam a semana de quatro dias de trabalho. A Unilever, por exemplo, desde dezembro do ano passado testa a modalidade com cerca de 81 funcionários da Nova Zelândia. “A iniciativa mostra a ambição da Unilever de melhorar o bem-estar tanto dos funcionários como da empresa. […] Nosso objetivo é medir o desempenho na produção, não no tempo de trabalho. Acreditamos que as velhas formas de trabalhar estão desatualizadas e não são mais adequadas”, diz em comunicado Nick Bangs, diretor administrativo da Unilever Nova Zelândia. A experiência deve ter a duração de um ano e os colaboradores têm “autonomia e flexibilidade determinando quando e como trabalharão melhor dentro da nova estrutura.”

Na Microsoft Japão, os testes foram feitos em agosto de 2019. Funcionou assim: durante um mês, a companhia não tinha expediente às sextas-feiras. Para não sobrecarregar os demais dias da semana, as reuniões ficaram restritas a uma duração máxima de 30 minutos. Como resultado, a produtividade dos funcionários aumentou quase 40%. A movimentação aconteceu dentro de um cenário em que o Japão tem uma das horas de trabalho mais longas do mundo. “Ao implementar novas práticas internas para promover a escolha da vida profissional, desafiamos todos os funcionários a trabalhar em um curto espaço de tempo, descansar e aprender bem para melhorar ainda mais a produtividade e a criatividade”, disse a empresa em nota.

No Brasil, a startup Crawly, fundada em 2017, já nasceu com a modalidade de semana de quatro dias de trabalho. “Quando começamos, ainda não tinha como competir em termos de salário com grandes corporações. Então, decidimos inovar no modelo de trabalho. […] Já sabíamos, aliás, que o rendimento não cai, ao contrário, aumenta na jornada reduzida”, disse em entrevista à StartSe Thiago Veloso, head de marketing da empresa. 

Na companhia, os funcionários não trabalham às sextas-feiras. “É um dia que as pessoas podem resolver as tarefas pessoais sem pressão”, diz ele. “Para a gente, é um baita diferencial competitivo no ato da contratação.”  “O feedback dos funcionários é positivo. Eles contam que têm mais qualidade de vida”. Para evitar o acúmulo de trabalho nos demais dias, os times têm reuniões diárias e semanais em que juntos estabelecem as demandas e as prioridades. “A gente usa muito a metodologia ágil”, afirma Veloso.

A Zee.Dog, empresa de produtos pet, adotou a modalidade há pouco mais de um ano. “A gente decidiu trazer ao Brasil essa ideia de semana de trabalho reduzida, a qual nomeamos #NoWorkWednesday. Diferente dos japoneses, que prolongam o fim de semana com o day off, nossos funcionários tiram as quarta-feiras de folga. A ideia permite que cada um aqui se organize nos 4 dias para entregar suas tarefas”, diz a companhia em comunicado. A regra muda na semana com feriado. Neste caso, “a quarta-feira conta como dia normal de trabalho.”

O QUE DIZ A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA?

“De acordo com a legislação, a regra é de que a jornada seja de 8 horas diárias e 44 horas semanais. Mas nada impede que seja menor do que isso. A legislação só impede o que for maior, menor não”, diz Lucas Camargo, advogado trabalhista sênior do Pinheiro Neto. 

O mesmo vale para a jornada parcial — que surgiu com a reforma trabalhista de 2017 — em que a carga horária de trabalho é de até 30 horas semanais sem possibilidade de hora extra ou 26 horas semanais, com até 6 horas extras pagas. Isso significa que para a jornada parcial, a empresa pode liberar a semana de quatro dias, mas o profissional, em hipótese alguma, pode ultrapassar o limite de horas previstas no contrato. “Não pode ter hora extra além do que o regime permite”, diz Camargo.

PODE REDUZIR O SALÁRIO?

Caso a empresa queira reduzir o salário proporcional a jornada de horas, Camargo diz que precisa fazer uma negociação com o sindicato. “Não é aconselhável e nem seguro fazer negociações individuais”, diz o especialista. 

A REDUÇÃO DEVE SER FEITA PARA TODOS OS FUNCIONÁRIOS?

“Não. A empresa não precisa adotar a semana de quatro dias de trabalho para todos os funcionários. Nada impede que a companhia tenha regimes de trabalho específicos para funções diferentes. […] O cuidado que a empresa precisa ter é: se os colaboradores exercerem a mesma função, não pode liberar a semana de quatro dias de trabalho para alguns deles, e outros não. Mas para áreas e funções distintas é possível.” 

Dica: O especialista aconselha que “a empresa precisa avaliar bem antes de implementar o benefício, pois, se feito, não pode ser alterado depois. Seria necessário, em tese, uma série de novas negociações com o sindicato.”

Fonte: app.startse.com Por Sabrina Bezerra

Veja Também

10 mandamentos do eSocial para o empresário Em nosso escritório e nas reuniões com os clientes, falamos muito do Esocial e das mudanças para a vida das empresas e dos profissionais da área. Em m...
Fundo de Garantia para os domésticos já está valen... Começou neste mês a obrigatoriedade de recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para as domésticas. Com isso, o patrão passará...
IRRF – DEVEDORES DEVEM REGULARIZAR DÉBITO ATÉ 30/1... Devedores de IRRF devem regularizar débito até 30/11, sob pena de autuação e responder por crime de apropriação indébita Descontou IRRF da fo...
Lei que instituiu home office para grávidas deixou... A Lei 14.151, que instituiu o trabalho remoto para mulheres grávidas enquanto durar o estado de calamidade de saúde por causa da Covid-19, deixou al...
A constituição de EIRELI por Pessoa Jurídica Há quem defenda que essa modalidade empresarial somente possa ser constituída por pessoa natural Marcelo Teixeira Vieira Com o advento da Lei 12.441...
Posso deduzir aula de inglês no IR? Veja respostas... Receita Federal espera receber 27,5 milhões de declarações de Imposto de Renda Pessoa Física até 30 de abril; fique atento Maíra Teixeira A Receita ...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta