O projeto do novo Simples Nacional, recém-aprovado no Congresso Nacional, proporciona avanços às empresas brasileiras à medida que amplia o teto para permanecerem no regime simplificado.
Os Microempreendedores Individuais (MEIs), por exemplo, poderão ter uma receita bruta anual de até R$ 81 mil anuais, o que resulta em uma média mensal de R$ 6,75 mil. O teto das microempresas, por sua vez, passará de R$ 360 mil para R$ 900 mil, e o das empresas de pequeno porte de R$ 3,6 milhões para R$ 4,8 milhões.
Cumpre-se parcialmente, assim, o objetivo de livrar estes empreendimentos da síndrome do crescimento. Será cada vez menos comum a prática da multiplicação de CNPJs, na qual o empresário opta por criar empresas com o único objetivo de diluir o faturamento entre elas e, assim, continuar cabendo no Simples.
O aumento do teto, porém, é tímido se comparado ao crescimento da inflação. Caso fosse corrigido pela inflação, o novo limite deveria ser de R$ 5,4 milhões, R$ 600 mil a mais do que o previsto.
Causa estranheza também o fato de que, ao ultrapassar os R$ 3,6 milhões, as empresas precisarão recolher o ICMS (estadual) e o ISS (municipal) em guias separadas.
Ou seja, mais uma vez a tese da simplificação sofre prejuízos, com aumento da burocracia e da insegurança por parte das empresas cujo faturamento supera este valor.
É importante ressaltar também que essas mudanças chegarão com atraso, pois só passarão valer a partir de janeiro de 2018.
A única ação que entrará em vigor tão logo o projeto de lei do Simples seja sancionado é a possibilidade de parcelar os débitos em até 120 vezes, o dobro do que é possível fazer atualmente.
Confiar cegamente no Simples será sempre uma aposta delicada, se não vier precedida de um planejamento tributário detalhado que contemple ainda a análise do Lucro Real e do Lucro Presumido, sob pena de se pagar impostos indevidos e que poderão custar a sobrevivência do negócio.

Fonte: Asis Projetos

Veja Também

O que muda no imposto de renda de acordo com o tip... Um dos impostos que mais impactam no planejamento tributário de uma empresa é, sem dúvida, o Imposto de Renda Pessoa Jurídica – IRPJ. Um dos impostos...
As Diferentes Hipóteses de Saldo Credor Acumulado ... Embora o ICMS tem em sua essência a permissão da compensação do imposto pago na entrada com o débito gerado na saída, isto nem sempre ocorre ficando a...
Nova lei trabalhista mal entrou em vigor e já mudo... A reforma trabalhista está valendo há cerca de 3 semanas, desde o dia 11, mas já passa por novas mudanças. O governo alterou alguns pontos por meio de...
Lei das Domésticas: 11 coisas que você precisa sab... Regulamentação do trabalho doméstico é aprovada pelo Senado e espera assinatura da presidente Dilma Após quase dois anos de tramitação no Congresso...
APOSENTADORIA: Previdência divulga nova tabela do ... As projeções do IBGE mostram que a expectativa de vida cresce a cada ano. Dessa forma, um segurado que se aposente aos 60 anos de idade tinha uma sobr...
Novo Refis: o que fazer para aproveitar todos os b... Nenhuma das iniciativas legislativas prosperou. Contudo, são inegáveis as tentativas parlamentares de emplacar um novo programa de parcelamento que pe...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *