A verdadeira diferença entre DIFAL e DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA

Na verdade, DIFAL e DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA é a mesma coisa, a diferença é que um está escrito em siglas e o outro está escrito o nome completo, DIFAL – DIFerencial de ALíquota.

A verdadeira diferença que sempre coloca dúvida na cabeça dos contabilistas é o cálculo do DIFAL na entrada e na saída, porem o objetivo é o mesmo.

Objetivo do Difal – Diferencial de Alíquota
Cada Estado tem uma alíquota interna própria e muita das vezes é mais vantajoso comprar em um Estado em que a alíquota é menor, assim a mercadoria ficaria mais barata, é aí que entra o DIFAL, para equilibrar essa disputa.

Vamos a um exemplo: se eu tenho uma mercadoria que saia de Goiás com destino a Minas Gerais, ela sai com uma alíquota de 12% sendo que a alíquota interna de Minas Gerais é 18%, o DIFAL veio justamente para regularizar e fazer com que essa diferença de 6% seja repassada ao Estado de Minas Gerais.

difal na saída
Na venda de mercadoria para consumidor final não contribuinte o emissor da nota, ou seja, a empresa que está vendendo a mercadoria é obrigada a calcular o DIFAL e repassar para os Estados pertencentes, usando o exemplo anterior, vamos supor que a mercadoria custe 1.000,00 R$, automaticamente é calculado na nota fiscal os 12% da alíquota interna de Goiás que seria 120,00 R$, más a mercadoria teria como destino o Estado de Minas Gerais e lá a alíquota interna é 18%, existe aí uma diferença de 6% que deveria ser repassado para Minas, é aí o motivo do governo obrigar a empresa que está vendendo a mercadoria a calcular e repassar os 6% de Minas Gerais, pois como o comprador não é contribuinte e não tem vínculo com o Estado ele não irá pagar 6% para Minas Gerais uma vez que ele já está com a mercadoria em mãos e não irá sofrer nenhuma pena ao não repassar, assim a empresa que vendeu a mercadoria calcula 6% sobre o valor da venda que seria 60 R$, acrescenta na nota passando de 1.000,00 R$ para 1.060,00 R$ obrigando o consumidor a pagar a diferença, aí a empresa apenas repassa esse valor para o Estado de Minas Gerais, lembrando que a empresa não é obrigada a repassar esse valor para o cliente, ela é obrigada a repassar para o Estado de destino, se a empresa quiser ela pode manter o valor do produto e arcar com esse valor.

difal na entrada
Na entrada o sistema de cálculo é o mesmo, você paga a diferença entre a alíquota de saída do Estado que está vendendo a mercadoria com o Estado que está recebendo a mercadoria, a diferença é que nesse caso o emissor da nota, quem está vendendo a mercadoria não é obrigado a calcular e repassar o DIFAL, pois ele está vendendo para um consumidor final contribuinte, ou seja, ele está vendendo para uma pessoa física ou jurídica que tem vínculo com o Estado, assim quem está comprando a mercadoria destinada para o ativo imobilizado ou para uso e consumo fica obrigado a calcular e repassar o DIFAL.

conclusão
Podemos concluir que o DIFAL veio para fazer com que o ICMS seja repassado da forma correta para cada Estado, fazendo com que as empresas sejam responsáveis a repassar o valor do ICMS para cada Estado pois assim fica mais fácil para o Governo fiscalizar uma pessoa jurídica já que ela tem várias obrigações acessórias, do que fiscalizar uma pessoa física.

O DIFAL é regulamentado pela EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 87, DE 16 DE ABRIL DE 2015 e pelo CONVÊNIO ICMS 93, DE 17 DE SETEMBRO DE 2015.

Fonte: PORTAL CONTÁBEIS

Veja Também

Quais os riscos de ter o próprio negócio? “Eles existem em todos os negócios. Na verdade, aceitá-los é considerada uma das principais características do empreendedor de sucesso. Só o fato de ...
Para as pequenas empresas, as Olimpíadas já começa... Está aberta a seleção de fornecedores para os Jogos. Empreendedores devem se preparar para aproveitar oportunidades Ainda faltam quase dois anos para...
Fazenda amplia base de contribuintes obrigados à e... Implantada no Estado de São Paulo em 2009, a EFD - conhecida também como Sped Fiscal - conta atualmente com 20.306 estabelecimentos de 5.555 contribui...
Sobrecarga de trabalho é o principal motivo de est... “Como ainda existem diferenças entre os sexos no mercado de trabalho, as mulheres acreditam que precisam produzir mais para provar que são competentes...
EXCLUSÃO DO SIMPLES NACIONAL – PARCELAMENTO O Ato Declaratório Executivo RFB nº 8/2012 publicado no DOU de 27.09.2012, anula todos os A.D.E, emitidos para os optantes do Simples Nacional que já ...
4 maneiras de remunerar os sócios Quando uma empresa nasce, a principal dúvida dos empresários é como será a sua remuneração. Muitos não têm noção das opções disponíveis e acabam descu...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta