O conceito de “banco aberto” propõe o compartilhamento consentido de dados dos clientes para a criação de produtos e serviços personalizáveis.

Imagine ser correntista em um banco e usar o cheque especial de outro? Ou então contratar empréstimos com uma instituição financeira, que possui condições mais vantajosas, usando uma plataforma única de comparação de taxas e juros? Melhor ainda, já pensou em pagar todos os seus boletos em um banco, usando saldo de outra conta, tudo de maneira integrada? Através do Open Banking, sistema de compartilhamento de dados e movimentações bancárias regulado pelo Banco Central, essas possibilidades estarão disponíveis para os usuários de pessoa física e jurídica, em breve. A partir do dia 15 de julho, entra em vigor a segunda fase do projeto de “abertura dos bancos”.

O objetivo central da iniciativa é dar mais autonomia e praticidade ao cliente, para que ele escolha os produtos e serviços mais atrativos ao seu perfil. O Open Banking também trará mais competitividade ao sistema bancário brasileiro, já que a comunicação entre os bancos será maior e eles poderão lançar produtos personalizados. A novidade já está presente em países como o Reino Unido e vem apresentando resultados animadores.

A primeira fase do Open Banking, que teve início em fevereiro de 2021, foi baseada na interação entre os bancos participantes, disponibilizando ao público informações padronizadas sobre os seus canais de atendimento e as características de produtos e serviços bancários tradicionais que oferecem. Nesse momento nenhum dado de cliente foi compartilhado.

“O Open Banking é mais um avanço da transformação digital do sistema bancário brasileiro. Ele vai trazer muitas mudanças na prestação de serviços financeiros, porque tendo o cliente como centro da relação, oferecendo muitas opções de como esse consumidor pode se relacionar com os bancos. As instituições financeiras irão trabalhar para se reinventar e inovar os seus serviços  e agradar cada vez mais os usuários, que terão total liberdade de escolha”, comenta a analista de capitalização e serviços financeiros do Sebrae, Cristina Vieira.

Para a analista, é hora das micro e pequenas empresas aproveitarem o momento para escolher produtos e serviços com taxas mais econômicas. “O Open Banking aumentará a competitividade. Orientamos que os empreendedores pesquisem, busquem informações, sejam mais proativos na busca por melhores condições de relacionamento com o banco. Isso será facilitado, porque estará tudo digitalizado, integrado entre as instituições financeiras. É a oportunidade para os pequenos empreendedores reduzirem custos fixos relacionados à gestão financeira do seu negócio, melhorando seu fluxo de caixa”, orienta.Fonte: Globo.com

Veja Também

As regras do trabalho temporário A contratação de mão-de-obra temporária deve observar regras para evitar que as empresas sofram mais tarde autuação do Ministério do Trabalho e Empr...
Governo publica normas para preenchimento da decla... Deve preencher a declaração quem obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou reali...
O WhatsApp chega às empresas Quando o WhatsApp tinha pouco mais que uma dezena de funcionários, o empreendedor americano Brian Acton, que fundou o aplicativo de mensagens ao lado ...
STF mantém exclusão do ICMS da base de cálculo do ... A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) manteve o entendimento do tema 69 – a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins – a um bloco...
Covid-19: SP publica protocolo que autoriza empres... Empresas que não puderem seguir em teletrabalho devem mobilizar estratégias para testagem em massa de funcionários para o novo coronavírus; veja o pr...
Agora é lei! Trabalhador ganha três dias para faze... Funcionários podem faltar no trabalho sem descontos no salário para este tipo de procedimento Lei publicada nesta terça-feira (18) em edição extra ...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta