Vai aderir ao PERT até dia 14 de novembro?
Fique atento às regras trazidas pela Instrução Normativa nº 1.754/2017 da Receita Federal e Portaria PGFN nº 1.052/2017 da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, publicadas no Diário Oficial da União desta quarta-feira (1/11), que regulamentaram o novo prazo de adesão ao Pert, concedido pela Medida Provisória nº 807/2017.

Confira orientação da Receita Federal:
Para os contribuintes que efetuarem adesão ao Pert até 14 de novembro de 2017, o pagamento à vista e as prestações devidas no ano de 2017 deverão ser pagas da seguinte forma, sob pena de não deferimento do parcelamento:

  • para as modalidades previstas nos incisos I, II e III do caput e no inciso I do § 2º do art. 3º da Instrução Normativa nº 1.711/2017:
  • a) até 14 de novembro de 2017, o valor referente às parcelas de agosto, setembro e outubro;
    b) até o último dia útil de novembro de 2017, o valor referente à parcela de novembro; e
    c) até o último dia útil de dezembro de 2017, o valor referente à parcela de dezembro;

  • para a modalidade prevista no inciso VI do caput do art. 3º:
  • a) até 14 de novembro de 2017, o valor equivalente a 1% (um por cento) da dívida consolidada sem reduções, referente à parcela de outubro;
    b) até o último dia útil de novembro de 2017, o valor equivalente a 1% (um por cento) da dívida consolidada sem reduções, referente à parcela de novembro; e
    c) até o último dia útil de dezembro de 2017, o valor equivalente a 1% (um por cento) da dívida consolidada sem reduções, referente à parcela de dezembro.
    Dentre as novidades, destaca-se a possibilidade de parcelar débitos provenientes de tributos retidos na fonte ou descontados de segurados; débitos lançados diante da constatação de prática de crime de sonegação, fraude ou conluio; e débitos devidos por incorporadora optante do Regime Especial Tributário do Patrimônio de Afetação. Antes esses débitos não podiam ser parcelados no Pert.
    Uma outra novidade é a nova modalidade de pagamento da dívida: 24% em 24 parcelas, podendo o restante ser amortizado com créditos que porventura o contribuinte tenha junto à Receita, inclusive provenientes de Prejuízo Fiscal ou Base de Cálculo Negativa da CSLL.
    Para dívidas inferiores a R$ 15 milhões, o percentual a ser pago em 2017, sem descontos, foi reduzido de 7,5 para 5%.
    Também é destaque o aumento dos descontos sobre multas: após pagamento da entrada em 2017 (5 ou 20%, conforme a dívida seja maior ou menor que R$ 15 milhões), se o contribuinte optar por pagar todo o saldo da dívida em janeiro de 2018, terá desconto de 90% sobre os juros e 70% sobre as multas; se optar por pagar o saldo da dívida em 145 parcelas, os descontos serão de 80% sobre os juros e de 50% sobre as multas; se optar por pagar o saldo da dívida em 175 parcelas, permanecem os descontos de 50% dos juros e de 25% das multas.

    Normas sobre o Pert
    1 – Instituição do Pert
    Programa Especial de Regularização Tributária – Pert foi criado pela Medida Provisória nº 783/2017.
    A Medida Provisória nº 783/2017 foi convertida na Lei nº 13.496/2017.

    2 – Prazo de adesão vai até 14 de novembro de 2017
    O Novo prazo de adesão ao Pert foi concedido através da Medida Provisória nº 807/2017, que revogou a Medida Provisória nº 804/2017.

    3 – Regulamentação do Pert
    Receita Federal: Instrução Normativa nº 1.711/2017 alterada pela Instrução Normativa nº 1.754/2017.
    Procuradoria Geral da Fazenda Nacional – PGFN: Portaria PGFN nº 690/2017 alterada pela Portaria PGFN nº 1.052/2017.

    Pert
    O Programa Especial de Regularização Tributária – PERT beneficia pessoas físicas e jurídicas, que poderão liquidar débitos federais vencidos até 30 de abril de 2017 com redução de multa e juros, inclusive aqueles retidos na fonte.

    Consulte aqui integra da Instrução Normativa nº 1.754/2017 e Portaria PGFN nº 1.052/2017.

    Veja Também

    Prazo para entrega da DIRF 2015 termina no próximo... Para empresas que optam pelo Simples Nacional, bem como pessoas físicas A Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte – DIRF 2015, relativa ao ano...
    Empregados Domésticos Considera-se empregado doméstico aquele que presta serviços de forma contínua, subordinada, onerosa e pessoal, sem finalidade lucrativa à pessoa ou à ...
    Exigência do ISS no município tomador do serviço... A meses de completar 13 anos, a Lei Complementar nº 116 ainda suscita questionamentos por parte dos fiscos municipais, em especial na delimitação do c...
    Salário por fora: pode ou não pode? Entenda as implicações desta prática, ilícita sob a ótica da Justiça do Trabalho A prática informal do salário por fora não é exatamente uma novidade...
    Empresas já podem fazer Escrituração Fiscal Digita... - Aos fatos geradores ocorridos a partir de 1º de abril de 2011: Pelas pessoas jurídicas que estiveram submetidas a acompanhamento econômico-tributári...
    Reforma do PIS/Cofins não visa elevar arrecadação,... Segundo ele, sistema atual de cobrança dos tributos é 'arcaico', ministro declarou que quer encaminhar reforma o 'mais cedo possível'. O ministro da ...

    Deixe uma resposta

    Deixe uma resposta