Legislação trabalhista protege os direitos do trabalhador e é específica em diversos pontos Foto: Roberto Scola / Agencia RBS

Regras claras podem garantir direitos ao empregado e segurança à empresa

Há quem acredite que a terceirização tem muitas vantagens, tanto para empregados quanto para empregadores e deve ser estimulada. Mas, outros entendem que terceirização é sinônimo de precarização das relações do trabalho e, por isso, deve ser combatida. Quem tem razão?

A terceirização não é o mal em si, não representando nem a encarnação de demônio nem a solução benta. O que deve ser observado é a forma com que as empresas desejam terceirizar suas atividades. Eis o caminho da segurança jurídica.

A terceirização é um instrumento eficaz para as empresas, desde que implementada de forma correta. Significa implementar um bom processo de terceirização?

Isso acontece quando a empresa que terceiriza uma ou várias atividades faz isso não somente porque deseja economizar dinheiro, mas porque deseja ganhar competitividade. A boa terceirização ocorre quando uma empresa quer entregar a terceiros alguma atividade que ela não realiza, ou não a faz bem. E este terceiro, sendo especializado no assunto, pode fazer tal trabalho melhor e com mais eficiência do que a contratante.

Quem compra serviço não compra mão de obra. Assim, se compro determinado serviço, pouco importa quem o presta. Agora, se a questão é a aquisição de mão de obra, então desejo na verdade comprar a força de trabalho do ser humano. E só existe um modelo, no Brasil, que permite a compra personalizada do trabalho humano, isto é, desde que isso seja feito nos moldes da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Parte do passivo trabalhista das empresas decorre não de problemas jurídicos, mas da gestão de pessoas. Um bom processo de terceirização demanda uma boa gestão de contratos terceirizados feitos pelo RH das empresas.

A regulamentação da terceirização contempla estes aspectos, garantindo direitos aos trabalhadores terceirizados e segurança jurídica às empresas.

eduardo@pastoreadvogados.com.br

Especialista emDireitoTrabalhista

Eduardo Pastore

DCI

Veja Também

Incide ou Não Incide ISS nos “Reembolsos de Despes... Prática corriqueira nas relações empresariais, sobretudo nos contratos de prestação de serviços, o chamado “reembolso de despesas” continua gerando mu...
Conheça as novas regras para o uso do cheque Além disso, a sustação de cheques extraviados, furtados ou roubados vai depender da apresentação do boletim de ocorrência. Por fim, as folhas de chequ...
Grandes decisões financeiras: é hora de abrir o pr... A crise vivida pelo Brasil tirou muita gente do mercado de trabalho formal e acabou estimulando o chamado empreendedorismo por necessidade. Diante das...
Apoio ao REFIS para o pequeno empresário Atenção Empresários! Precisamos, juntos, apoiar e derrubar o veto que o Presidente Michel Temer impôs contra o parcelamento de Dívidas para os peq...
Para fechar as contas públicas, Estados compram pl... Murilo Rodrigues Alves - O Estado de S. Paulo Seguindo exemplo dos bancos, dez secretarias responsáveis por cuidar das finanças de Estados e do D...
Por que algumas pequenas empresas possuem muitas d... Isso ocorre, porque normalmente a área financeira destas pequenas empresas é gerenciada por pessoas de confiança do empresário, como exemplo alguém da...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta