Advogado Marcelo Mascaro Nascimento explica como ficaram as regras sobre a contribuição sindical

Uma das principais polêmicas geradas pela Reforma Trabalhista foi o fim da contribuição sindical obrigatória, também conhecida como imposto sindical. Até então, todo trabalhador, fosse filiado ou não ao sindicato de sua categoria profissional, tinha um dia de salário, ao ano, descontado em sua folha de pagamento, em benefício da entidade sindical.

Com a reforma, o desconto passou a ser devido apenas àqueles que previamente o autorizarem. Ocorre que parte dos sindicatos passou a entender que essa autorização prévia não necessitaria ser concedida por cada trabalhador individualmente, podendo ser concedida mediante aprovação em assembleia realizada no sindicato e com efeitos para todos os trabalhadores da categoria, filiados e não filiados.

Em razão disso, foi editada a recente Medida Provisória nº 873, que introduz duas importantes mudanças em relação à contribuição sindical.

A primeira é que a lei passa a determinar, expressamente, que as contribuições devidas ao sindicato, inclusive a contribuição sindical, só podem ser cobradas se houver autorização prévia, voluntária e individual do trabalhador. Desta forma, fica proibida a autorização por assembleia.

A outra mudança, de grande impacto, diz respeito à forma de pagamento da contribuição sindical. Era previsto na CLT que o desconto seria realizado pelo empregador, diretamente, na folha de pagamento do empregado. Agora, o desconto em folha está proibido e o pagamento deve, obrigatoriamente, ser feito por boleto bancário ou equivalente eletrônico.

Estas medidas, porém, já estão sendo questionadas no STF, inclusive pela Ordem dos Advogados do Brasil, sob o argumento, entre outros, de que a intervenção do Estado em alguns assuntos do sindicato, como a forma de pagamento das contribuições, violaria a liberdade sindical.

Apesar disso, no momento as novas regras estão valendo e apenas deixarão de produzir efeitos se o STF acatar os argumentos contrários à Medida Provisória e declará-la inconstitucional ou se o Congresso não a transformar em lei, sendo que, para isso, a Câmara e o Senado possuem o prazo de até 120 dias.

Fonte:exame.abril.com.br

Veja Também

Governo amplia direito de abater PIS e Cofins na f... Como a economia para empresa pode ser de quase 50% dos gastos na fabricação de um determinado produto, especialistas afirmam que as empresas já começa...
Como fugir da malha fina no preenchimento do Impos... Receita Federal informou que recebeu mais de 86 mil declarações apenas no primeiro; Prazo vai até 30 de abril Erros de digitação e omissão de rendime...
Empresas têm mais vantagem em terceirizar serviços... O custo para manter departamento de contabilidade interno é estimado em R$ 17 mil mensais entre salários, encargos sociais e despesas operacionais par...
Lei que exige informações judiciais na matrícula d... Desde o dia 20 de fevereiro, o comprador de um imóvel pode saber se o bem ou seu proprietário estão envolvidos em alguma ação na Justiça que possa com...
“Estupraram a legislação do Simples Nacional... Lideranças setoriais planejam mover uma ação na Justiça para suspender os efeitos da Emenda Constitucional n° 87, que estabeleceu novas regras para o ...
O CONTRATO INTERMITENTE SOB O PONTO DE VISTA ATUAL... Esta modalidade de contrato, além de manter o trabalhador ativo no mercado podendo prestar serviços a diversas empresas, a empresa também reduz custos...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta