O evento, que teve como objetivo orientar e tirar dúvidas sobre a consolidação, reuniu cerca de 100 profissionais da contabilidade e empresários de vários segmentos. ”Estamos fazendo palestras repetidas vezes e a RF oferece todo o apoio para todos que fizeram opção por este Refis tenham condições de serem atendidos. Não há desculpa nem justificativas para quem perder o prazo, por isto não acredito na prorrogação das datas”, afirmou o analista tributário da RF, Claudinei Alves Macedo durante a palestra.

A preocupação de ver um número considerável perder os prazos, por deixar para a última hora e na confiança de uma prorrogação tem motivação. Cerca de 50% das pessoas físicas que haviam feito a opção pelo Refis deixaram de fazer a consolidação que tinha como prazo final em 30 de maio. E embora a prorrogação do prazo ainda não tenha sido oficializada, a RFB já adiantou que dará uma nova oportunidade às pessoas físicas – 65 mil entraram com o pedido e vinham pagando o adiantamento.

”A RFB entendeu que acompanhar os prazos da consolidação é mais complicado para as pessoas físicas, daí a decisão. Mas as pessoas jurídicas não têm este argumento, pois têm contado com a assessoria da RF e de entidades de classe”, argumenta. As pessoas jurídicas podem consultar o período em que devem prestar as informações necessárias à consolidação das modalidades de parcelamento em aplicativo disponível nos sítios da RFB ou da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional na Internet.

O sistema permite que a empresa faça várias simulações até chegar à forma que melhor atende seu caso. Por isto a dica é ‘usar e abusar’ da simulação e somente quando estiver tudo definido e houver a certeza de ter escolhido as melhores opções, preencher a página definitiva. Dentro do prazo ainda é possível fazer correções, mas elas nem sempre são simples e demandam tempo.

O presidente do Sescap Londrina, Marcelo Odeto Esquiante, voltou a lembrar que deixar para a última hora aumenta o risco de perder o benefício. Além da clássica sobrecarga do sistema, reforça, qualquer correção demanda tempo que, na última hora, não existe, o que pode acabar impossibilitando a conclusão do procedimento em tempo hábil.

A primeira etapa da consolidação dos débitos termina no próximo dia 30 para as empresas sujeitas a acompanhamento econômico-tributário diferenciado e especial e aquelas que optaram pela tributação do imposto de renda e da CSLL com base no lucro presumido. Para as demais o prazo vai de 6 a 29 de julho.

De acordo com a RFB nesta primeira etapa são esperadas 147.216 empresas para negociar seus débitos. Até o final de julho, a expectativa da RFB é que as 359.335 pessoas jurídicas que se inscreveram, concretizem a consolidação em todo o país.

Fonte: Folha de Londrina

20/06/2011

Veja Também

Bens dos sócios e empresa irregular A divergência no entendimento do Superior Tribunal de Justiça sobre a proteção dos bens dos sócios de empresa irregular ocorre em razão da matéria se ...
Receita prepara declaração ‘pronta’ do... Segundo especialistas, cruzamento de dados por parte do fisco já acontece, e ideia é que em 2016 o contribuinte só confira os dados e faça a confirmaç...
Quer saber se está em dia com o Fisco? Fique de ol... “Alguns dados como o CPF, a data de nascimento e o número do recibo deverão ser preenchidos. Posteriormente, o contribuinte deverá criar uma senha. Au...
A injustiça com o FGTS As discussões que ocorrem no Congresso Nacional em torno do aumento da remuneração dos saldos individuais do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FG...
Norma da Receita pode afetar blindagem de sócios o... Instrução normativa exige CNPJ de sociedades em conta de participação A Receita Federal passou a exigir que as sociedades em conta de participação (S...
Impostos contra o País Com um dos mais pesados, complicados e irracionais sistemas de tributação do mundo, as empresas brasileiras gastam em média 2.600 horas, a cada ano, s...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta