Muitos empresários estão estressados e preocupados porque a empresa está no vermelho por conta da crise. Gerir um negócio é um desafio em meio a pandemia, onde as atividades ainda não voltaram a sua normalidade por completo.

Embora as dívidas sejam muitas, é preciso acreditar que existe um jeito. O primeiro passo é agir e iniciar a recuperação financeira do negócio  o quanto antes.

Como elaborar um plano de recuperação financeira? 

Não é uma tarefa fácil manter as portas abertas em meio a um cenário de perdas. Todavia, para mudar as coisas, é fundamental ter planejamento e estratégia.

Confira alguns passos que podem ajudar!

1- Faça um planejamento financeiro de acordo com seu caixa

Rastreie como está de fato o negócio, registre o volume de vendas, as despesas e quais as provisões a curto, médio e longo prazo.

Através desse mecanismo é possível identificar a saúde do negócio e começar a dar os primeiros passos para a recuperação financeira.

Saber o que a empresa arrecada e quanto precisa gastar para manter as atividades já é de grande ajuda para se ter um diagnóstico do que precisa ser feito para melhorar.

2- Corte custos

Se a sua empresa está arrecadando menos do que gasta, então é hora de cortar alguns gastos para começar a aliviar a pressão no financeiro.

Faça uma lista de gastos e comece a analisar o que pode ser economizado. Está valendo tudo, desde custos com energia, água, serviços de motoboy, materiais de escritório e outros.

Muitas empresas descobrem gastos exorbitantes em meio a recuperação financeira, portanto, faça uma análise bem minuciosa.

Todos os profissionais da empresa devem ser avisados desse projeto, afinal, eles podem colaborar.

3- Renegocie dívidas

Durante a recuperação financeira, é importante que a empresa mantenha seus créditos na praça. Por isso, faça uma lista dos credores e comece a renegociar o que deve.

Comece classificando por grau de prioridade e inclusive, pelo peso dos juros.

A ideia é sempre pagar primeiro os fornecedores, afinal, para continuar as atividades a sua empresa vai precisar de matéria prima.

Empréstimos em banco também entram na lista, afinal, os juros são altos e certamente nenhuma empresa quer comprometer seu patrimônio por causa disso.

Enfim, todas as dívidas devem ser negociadas, mas antes, faça as contas para ver quanto a empresa pode bancar mensalmente dessas negociações. Dessa forma, o empresário tem um norte para saber até onde pode ir durante o diálogo com os credores.

4- Faça uma análise de outras opções

Entendendo que a recuperação financeira não é igual para todas as empresas, então, é necessário considerar a necessidade de avaliar outras opções para continuar com as portas abertas ou tomar outra decisão mais decisiva.

Em determinados casos algumas medidas devem ser tomadas, como:

  • Cortar pessoal ( infelizmente, as vezes é necessário);
  • Realizar melhorias no serviço ou produtos;
  • Investir em marketing para divulgar os negócios na internet;
  • Reduzir o tamanho da empresa;
  • Mudar de ramo ( caso as coisas já não estão mais dando certo);
  • Fechar as portas ( último caso);

Em alguns casos, o extremo como fechar as portas é a única solução. Somente o diagnóstico da saúde financeira da empresa poderá dizer isso. Afinal, é nesse momento que a empresa terá uma projeção do que ela produz e poderá produzir para conseguir o capital necessário.

Diante do resultado, o empresário vai decidir se vale a pena continuar investindo na recuperação da empresa sob o risco de contrair mais dívidas, ou simplesmente, fechar as portas.

Essa análise deve ser feita de forma criteriosa, pois até para fazer a recuperação financeira, é necessário um investimento. E muitas vezes, a empresa já não consegue mais créditos e não tem onde tirar o capital.

5- Busque ajuda

Se você não sabe analisar os balancetes, fazer provisões e não tem uma ideia firme da situação financeira da empresa, a melhor opção é buscar ajuda do contador.

O profissional saberá informar como anda a saúde financeira da empresa e te auxiliar na recuperação financeira do negócio.

Apenas com transparência nas informações é que as melhores decisões podem ser tomadas.

Fonte: contabilidadenatv Por Fabio Favari

Veja Também

Empresas com mais de 29 anos podem ter recursos do... Empresas com pelo menos 29 anos podem ter direito a recursos disponíveis em contas antigas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) de seus tra...
Sped ainda é mistério para maioria das empresas Para o advogado tributarista, sócio do Cabanellos Schuh Advogados, Rafael Nichele, as empresas ainda têm dificuldade de lidar com os Speds, pois esses...
Empresas mostram que é possível montar um negócio ... Ideias criativas e promissoras, aliadas a confiança, planejamento e persistência, podem compensar o orçamento escasso na hora de transformar os sonhos...
Cinco dicas para você saber se tem perfil para inv... Em uma década, o empreendedorismo cresceu 11,5%. País deve bater recorde em 2015 com profissionais apostando no segmento Com a crise econ...
Gestão de marcas em micro e pequenas empresas Construir uma marca por si só já representa um grande desafio, e desde a década de 90, os estudos de branding vem tomando um espaço cada vez maior nas...
Para se aposentar com mesmo salário, trabalhador d... Nessa situação, o fator previdenciário (que reduz o benefício de quem se aposenta cedo) "come" praticamente 30% do valor. Se ele tiver média salarial...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta