Você já parou para pensar se está seguro ao fazer transações com o celular?

Ninguém aguenta fila de banco e muitos já se renderam às facilidades dos aplicativos, que permitem resolver boa parte das transações financeiras pelo celular. Mas você já parou para pensar se essas movimentações são seguras? Se você estiver usando as redes de dados das operadoras, a resposta é: mais seguras que as redes Wi-Fi.

É bom lembrar que nunca estamos totalmente seguros e sempre há uma troca de dados entre o seu celular e a rede em que você está conectado. Ou seja: suas informações, senhas e afins passam por um sistema que pode ser difícil ou não de ser invadido.

Especialistas ouvidos pelo UOL explicaram que, embora sejam consideradas seguras, as redes de dados das operadoras têm vulnerabilidades. Mas golpes por este caminho são custosos e requerem muito trabalho do criminoso, por isso não acontecem com muita frequência.

Como pode ser o ataque

“Para atacar alguém conectado a uma rede 3G ou 4G uma alternativa é comprometer o provedor que fornece a internet móvel – ou seja, invadir uma rede gigante que certamente conta com muitas barreiras de segurança. Outro caminho seria gerar um sinal falso perto do alvo, usando uma simulação de antena, o que é algo custoso e raro de ser feito por criminosos.
O celular, por padrão, vai se comunicar com a torre falsa, porque o sinal seria mais forte. O criminoso envia sinal de internet e de celular para que você acredite que está tudo normal, mas ele pode capturar chamadas, SMS e pode, em algum nível, mexer em sua navegação na internet”.
Fabio Assolini, analista de segurança da Kaspersky

“Em algum nível” porque as comunicações por meio da rede 3G são criptografadas. As redes 4G, embora parcialmente criptografadas, são mais modernas. Então, o hacker provavelmente forçaria uma conexão na rede 2G, mais antiga, explica Emilio Simoni, gerente de segurança da PSafe.

“Não é fácil de invadir, mas existe equipamento”, ressalta Simoni.

Assolini relembra que já viu um palestrante demonstrar um ataque. Ele conseguiu fazer com que espectadores se conectassem a uma rede falsa da Algar em São Paulo – a companha sequer opera na capital paulista.

Mas os golpes deste tipo são raros. Portanto, prefira as redes móveis na hora das transações financeiras. As redes Wi-Fi são um alvo mais fácil para hackers.

Um estudo em 31 milhões de pontos de acesso de internet sem fio feito pela Kaspersky Lab apontou que 28% deles não são protegidos e colocam os dados pessoais dos usuários em risco, sendo que 25% dos Wi-Fis não usam qualquer tipo de criptografia ou proteção por senha.

Use aplicativos para ficar mais seguro

Uma dica dos especialistas em segurança é sempre usar os aplicativos oficiais dos bancos, já que eles possuem mais proteção contra golpes. No site é mais fácil o criminoso te direcionar para páginas falsas.

“Quando você abre o aplicativo do banco, aparece um certificado digital, que se conecta com o servidor do banco. Se os dois batem, estou no servidor correto. Se os dados não batem, é porque houve algum direcionamento na conexão e o aplicativo não se conecta. Entre usar o navegador do celular e o app, é muito mais seguro usar o aplicativo”, explicou Assolini.

Mas, é claro, nem esses aplicativos estão livres de golpes. O mais comum, que cresce a cada dia no Brasil, é a instalação de vírus e trojans capazes de roubar dados do usuário ou instalar um aplicativo falso do banco.

Fonte: UOL Notícias Tecnologia

Veja Também

Reduzir a jornada de trabalho Reduzir a jornada de trabalho é preciso no entanto, a legislação sobre horas-extras deve ser respeitada para não elevar informalidade. A redução da...
DIREITO PREVIDENCIÁRIO – GUIA DA PREVIDÊNCIA... O contribuinte que eventualmente possuir recolhimento inferior a R$ 10,00 deverá acumular este valor com os próximos recolhimentos até que a soma atin...
Trabalhadores podem ter férias fracionadas em até ... No cenário reformista instalado no Brasil nos últimos anos, o Direito do Trabalho foi objeto de significativas mudanças. Com a Reforma Trabalhista, p...
Obrigatoriedade do CEST Através do Convênio ICMS 60/2017 foi mantido a obrigatoriedade de indicação do Código Especificador da Substituição Tributária (Cest) nos documentos f...
Saldo do FGTS pode ser usado para reforma de imóve... São Paulo – A Justiça Federal negou provimento à apelação interposta pela Caixa Econômica Federal, contra a sentença proferida pelo Juízo da 9ª Vara F...
EMPRESA FLEXÍVEL? SAIBA O QUE FAZER PARA QUE OS PR... "Estes novos conceitos surgiram com as empresas de internet, como Google", explica o consultor da Leme Consultoria, Euclides Junior. Mas, para ter ...

Deixe uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.