O simples deslocamento de mercadorias de uma filial para outra ou da matriz para filial não se enquadra na hipótese de incidência do ICMS, já que se trata de remessa entre estabelecimentos do mesmo contribuinte, sem natureza de circulação econômica.

Com esse entendimento, a 1ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou decisão de primeira instância que proíbe o Fisco paulista de exigir ICMS em operações de transferência de mercadorias entre estabalecimentos do mesmo proprietário. A decisão abrange todos os filiados da Associação Nacional dos Contribuintes de Tributos (ANCT), que ajuizou o mandado de segurança coletivo.

“O STF considerou que, para haver a incidência do ICMS, há necessariamente que existir real transferência de propriedade na comercialização do produto (compra e venda). Quando há um mero deslocamento da matriz para a filial, onde não há troca de propriedade, não deve incidir o tributo, o que sempre foi cobrado pelo Estado. Mais uma conquista da ANCT em matéria tributária a favor dos seus filiados”, afirmou Luiz Manso, presidente e fundador da ANCT.

No caso dos autos, o relator, desembargador Marcos Pimentel Tamassia, ressaltou que, em se tratando de ICMS, a expressão “circulação de mercadorias”, existente no artigo 155, II, da Constituição Federal, deve ser entendida não apenas como o mero deslocamento ou transferência material de uma mercadoria de um estabelecimento para outro, mas sim como sua circulação ou transferência jurídica, a implicar a modificação da titularidade de seu domínio.

“Portanto, a mera transferência/circulação material de mercadorias entre os estabelecimentos da impetrante/agravada, a princípio, não pode caracterizar fato gerador do ICMS. Não por outro motivo, a Súmula 166 do Superior Tribunal de Justiça prescreve que ‘não constitui fato gerador do ICMS o simples deslocamento de mercadoria de um para outro estabelecimento do mesmo contribuinte’”, afirmou.

Esse entendimento, segundo o desembargador, vale para o deslocamento entre estabelecimentos na mesma unidade federativa e também entre estabelecimentos localizados em estados diversos, desde que não verificada a circulação jurídica da mercadoria, isto é, a transferência de sua titularidade.

“Com efeito, em sede de repercussão geral, o Supremo Tribunal Federal adotou a tese de que ‘não incide ICMS no deslocamento de bens de um estabelecimento para outro do mesmo contribuinte localizados em estados distintos, visto não haver a transferência da titularidade ou a realização de ato de mercancia’ (Tema 1.099)”, completou Tamassia. A decisão se deu por unanimidade.

Fonte: Conjur

Veja Também

Receita Federal implanta malha fina para empresas Para a Receita, a nova malha fina dará ao contribuinte uma percepção maior da capacidade de controle do fisco.“Com a percepção de que a Receita tem ri...
Backup: Será que os dados da sua empresa estão mes... Existe diversas maneiras de fazer backups dos dados da sua empresa. Mas a maioria oferece riscos à segurança. O backup especializado aparece como a me...
Como dar nome a uma empresa? Confira algumas dicas que contribuíram para o sucesso do seu novo negócio Para dar um bom nome para a uma empresa é necessário seguir uma série de ...
Mais de 1/3 dos brasileiros sonham em ter negócio ... Para mais de um terço dos brasileiros, ser dono do próprio negócio é uma meta de vida e significa equilíbrio entre vida profissional e pessoal, de aco...
5 Dicas sobre Substituição Tributária As regras variam de Estado para Estado, e as multas pelo cálculo ou recolhimento incorretos são consideráveis. A substituição tributária do ICMS é ...
Saiba como recuperar o recibo da declaração do IR... Todos os contribuintes que declaram o Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) recebem ao final do procedimento uma sequência de 12 números que identific...

Deixe uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.