Algumas empresas adotam a prática de inserir no contrato de trabalho do empregado, em alguns casos específicos, a chamada “cláusula de permanência”. Ou seja, elas estipulam um período mínimo, geralmente 2 anos, no qual o trabalhador deve prestar serviços a elas. Mas há dúvidas se a ação é permitida por lei. E aí, você sabe se isso é legalmente aceito?

Primeiramente, é bom ter ciência que não existe um único entendimento sobre este assunto. Seja na doutrina ou na jurisprudência trabalhista, há visões diversas sobre ele. Quem é favorável a esta prática adota como base o princípio da liberdade contratual, que consta no art. 444 da CLT (Consolidações das Leis Trabalhistas). E que diz que empregado e empregador são livres para acordarem as condições nas quais o contrato de trabalho será desenvolvido – restringindo somente a existência de cláusulas contratuais contrárias à legislação em vigor.

Neste sentido, tribunais trabalhistas têm manifestado o entendimento de que é legalmente possível a inclusão de cláusulas condicionais e/ou restritivas, podendo ser ajustadas, entre outras, a chamada “cláusula de permanência”.

Em qual caso a cláusula de permanência é mais comum?

É bom lembrar que, atualmente, existe grande interesse e até necessidade de aperfeiçoamento profissional. E, muitas vezes, as empresas se veem obrigadas a investir grandes valores em cursos de especialização de seus empregados para a melhoria de seus produtos e serviços.

E, justamente nestes casos, é comum as empresas optarem pela inclusão de cláusulas no contrato de trabalho que estabelecem determinadas condições para a realização desses cursos, com a intenção de reaver o montante investido, caso o empregado, sem motivo justificado, se demita dentro de um período de tempo.

Porém, há quem sustente a tese de que o risco da atividade econômica, previsto no art. 2º da CLT, deve ser custeado pela empresa. O que incluiria as despesas decorrentes da especialização do empregado nos custos empresariais, assim, não poderiam ser transferidos ao empregado.

Quais tipos de cláusulas são comumente inseridos?

Quem defende o entendimento de que a prática é legalmente viável, costuma aceitar, entre outras, as seguintes cláusulas:

  • previsão de indenização, por parte do empregado, dos gastos despendidos pela empresa em caso de descumprimento do acordado;
  • proibição de o empregado demitir-se, por certo período, sob pena de multa previamente estabelecida ou restituição do valor do curso, etc.

Por fim, é importante destacar que cabe à empresa, após uma análise cuidadosa do assunto, optar pela prática que julgar mais conveniente. Lembrando que a decisão final será dada pelo Poder Judiciário, caso haja ajuizamento do fato.

Fonte: https://noticias.iob.com.br/

Veja Também

Contribuintes devem aproveitar este mês para gasto... Os planos de previdência privada também são uma boa alternativa para redução do valor do imposto devido, porém, nesse caso, há um limite legal de dedu...
Priorizar tarefas e dividir semana em blocos econo... Para produzir mais e gastar menos tempo no trabalho, a receita é simples: planejar o dia, priorizar tarefas e manter a agenda atualizada. Mas, se f...
Dicas para acertar ao falar sobre você mesmo duran... Saiba como fazer uma boa apresentação pessoal e conquistar os recrutadores Durante a entrevista de emprego, vários aspectos de um candidato são anali...
Contribuintes já podem adiantar declaração do Impo... O aplicativo da Receita Federal pode ser instalado nos microcomputadores ou nos dispositivos móveis Em novembro, Receita Federal lançou um aplicativo...
ATIVIDADES EM QUE O ISS DEVE SER RECOLHIDO NO LOCA... Nosso entendimento é o de que o tomador de serviço é a pessoa jurídica que contrata o serviço permanentemente em suas dependências , ou seja, o serviç...
Governo facilita quitação de dívidas por empresas... O governo federal criou um mecanismo para melhorar seu quadro fiscal neste ano. Sancionada pela presidente Dilma Rousseff na semana passada, a Lei 12....

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta