Empresários e especialistas concordam que a legislação trabalhista complexa e a burocracia trazem insegurança jurídica. O presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Roque Pellizzaro, recorda que, na dúvida, o juiz toma por base a verdade do trabalhador: “Cria-se uma imagem de que o empregador sempre é bandido e o empregado é o explorado. Ocorrem excessos baseados em uma verdade que nem sempre reflete a realidade”.

“Mas o direito do trabalho é protecionista no mundo inteiro, a legislação trabalhista é para ser protecionista mesmo”, retruca Otávio Pinto e Silva, sócio da área trabalhista do escritório Siqueira Castro, que presta consultoria para centenas de empresas brasileiras e estrangeiras. O problema no caso brasileiro, segundo Pinto e Silva, é a falta de mecanismos que permitam adaptar as negociações de trabalho de cada atividade econômica à sua realidade. “Para cada categoria, há uma infinidade de sindicatos, cada um querendo tirar uma casquinha do imposto sindical e com pouca representatividade”, diz.

Chong lembra que caberia ao Tribunal Superior do Trabalho (TST), uniformizar o entendimento do Judiciário em todo o país. “Só que não existe uniformidade nem mesmo dentro do próprio TST”, diz. “Como a legislação do trabalho é protecionista, o juiz, ao aplicar a lei, acaba por decidir pelo protecionismo também, dando ganho de causa ao trabalhador”, completa.

O caminho apontado tanto por representantes do empresariado quanto por trabalhadores são as convenções coletivas, criadas para adaptar a lei à realidade de cada setor e categoria. “Só que as convenções coletivas perdem a legitimidade em um modelo de organização sindical defasado, que não permite o desenvolvimento de uma verdadeira negociação entre trabalhadores e empregadores”, opina Pinto e Silva.

Para o advogado, a falta de liberdade sindical impede negociações coletivas criativas e flexíveis. “Os acordos coletivos existentes hoje são meros arremedos de negociação. Repetem o que diz a lei e não trazem soluções negociáveis”.

O diretor do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Clemente Ganz Lúcio, acredita que a modernização do sistema passa pelo fortalecimento da negociação coletiva. “O sistema deveria considerar a negociação como elemento estruturante das relações de trabalho, complementares à legislação trabalhista”, afirma, acrescentando que esse modelo implica em um conjunto de mudanças administrativas, legais e culturais que, “sendo consolidadas, poderiam substituir isso que o empresariado chama de insegurança por acordos concretos”.

O modelo atual, aponta Granz, transfere para a lei a regulação e, para a Justiça, a solução do conflito. “É por isso que o sistema trava, tanto para os trabalhadores, que levam anos para ver seu direito atendido, quanto para os empresário, que têm que arcar com o prejuízo”, comenta.

Além da rigidez da legislação trabalhista, o empresariado se queixa da burocracia imposta pelo próprio governo. “A questão trabalhista hoje é muito mais calcada na desorganização do empregador, do que propriamente na questão de não cumprimento de normas do trabalho”, diz Roque Pellizzaro, explicando que há processos que o micro e pequeno empresários simplesmente desconhecem e, por conta disso, acabam incorrendo em erros trabalhistas involuntariamente.

Veja Também

Fazenda amplia base de contribuintes obrigados à e... Implantada no Estado de São Paulo em 2009, a EFD - conhecida também como Sped Fiscal - conta atualmente com 20.306 estabelecimentos de 5.555 contribui...
Limitada com apenas um sócio fomenta empreendedori... Em casos de morte do titular da empresa, as dificuldades para encerramento das atividades são muito maiores que numa Ltda., vez que a falta de planeja...
Microempreendedor tem até maio para enviar declara... A técnica lembra que o Sebrae não é um órgão fiscalizador, mas orientador. “Quando um MEI busca esse serviço, podemos também orientá-lo em outros aspe...
A Contabilidade como Ferramenta Tributária Ao fazer a conciliação das contas patrimoniais e de resultado, o Contabilista deverá atentar para diversos itens de conciliação, a título de exemplo: ...
Contribuintes estão pagando mais IR do que devem Enquanto a correção não é feita, os contribuintes estão pagando mais, num verdadeiro confisco tributário A falta de correção da tabela ocorreu porque...
O Colaborador que não Colabora Merece Colaboração... No começo desta década uma extensa pesquisa do Instituo Gallup demonstrou que apenas 20% do que cada colaborador tem de melhor era utilizado no seu di...

Deixe uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.