Entender as diferenças é essencial para saber o quanto o pagamento instantâneo vai impactar as suas finanças

PIX é um meio de pagamento que vai enviar e receber dinheiro em questão de segundos, 24 horas por dia, em todos os dias do ano. Mas você sabe, de fato, como o pagamento instantâneo será diferente das formas de pagamento já existentes: TED, cartões e boletos? Pois essas diferenças são essenciais para saber o quanto a plataforma brasileira é inovadora e disruptiva e entender qual será o impacto dela nas suas finanças a partir de novembro.

O Banco Central anunciou que em outubro os consumidores já poderão se cadastrar para usar o PIX. O objetivo é que os mais diversos pagamentos passem a ser tão fáceis, simples, intuitivos e rápidos quanto realizar um pagamento em dinheiro.

Na plataforma as transferências irão ocorrer diretamente da conta do usuário pagador para a conta do usuário que recebe o valor, sem a necessidade de intermediários. A rapidez acontece também por conta de uma simplificação nas informações necessárias, que as tornam mais convenientes. Atualmente uma transferência eletrônica de dinheiro demanda que o usuário passe várias informações para quem vai receber o valor.

Para usar o PIX, os pagadores poderão iniciar a operação por pelo menos três formas diferentes:

  • utilização de chaves ou apelidos para a identificação da conta transacional, como o número do telefone celular, o CPF, o CNPJ; endereço de e-mail; ou EVP (número aleatório gerado pelo sistema, para quem não quiser dar um dos dados acima)
  • QR Code (estático, usado em múltiplas operações; ou dinâmico, utilizado em apenas uma)

Todas as opções serão oferecidas pelos canais das instituições financeiras (bancos e fintechs) cadastradas no PIX. A instituição pode escolher oferecer a funcionalidade no internet banking, agências, apps no celular e até em lotéricas.

Veja abaixo as diferenças do PIX em relação à TED/DOC, cartões de débito e crédito e boletos, segundo informações do Banco Central:


TED/DOC
PIX
Forma de pagamentoQuem envia o dinheiro precisa conhecer e digitar os dados do recebedor, como seu banco, o número da agência, o número da conta, o tipo da conta e seu CPF ou CNPJ.O pagador precisa apenas clicar na chave que já está armazenada no celular, no link enviado por quem recebe os valores ou ler o QR Code de quem recebe o dinheiro.
NotificaçãoQuem faz o pagamento ou transfere o dinheiro não é notificado sobre a conclusão da transação.Pagador sempre será notificado a respeito da quitação da transação, inclusive em caso de erro.
DisponibilidadeGeralmente somente está disponível em dias úteis, entre 6h e 17h30.Pode ser iniciado em qualquer dia e horário.
UsoMais limitado.Atende múltiplos usos.

Fonte: exame.com

Veja Também

Como a gestão do estoque poderá contribuir para ma... Vender mercadorias - roupas, no exemplo que citaremos -, envolve muitos custos – compra, administração, venda, impostos, comissões etc. – e gestão cau...
Fazenda de São Paulo autua contribuintes por irreg... A Fazenda do Estado de São Paulo está autuando contribuintes via correspondência por irregularidades no Sistema Público de Escrituração Digital (Sped)...
Saiba como declarar gastos com empregado doméstico... “Essa dedução está limitada a um empregado doméstico por declaração, inclusive no caso da declaração em conjunto", orienta Lucio Fernandes, presidente...
Grandes empresas também terão autorregularização, ... O mesmo processo também foi implementado, neste ano, para as empresas inscritas no Simples Nacional. Neste caso, os alertas foram enviados por meio do...
Volume de normas editadas prejudica pequenas empre... A dificuldade para acompanhar as edições das normas tributárias e a quantidade de obrigações ou adaptações que ocorrem todos os anos tem prejudicado c...
Lei do Super Simples vai passar por alterações JC Contabilidade - O que muda efetivamente para as micro e pequenas empresas com o projeto de lei complementar 591/10? Alessandro Machado - A Lei G...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta