TEXTO PREVIA CRIAÇÃO DE UMA ESPÉCIE DE REFIS COM CONDIÇÕES MAIS VANTAJOSAS PARA AQUELES QUE TIVERAM MAIORES QUEDAS DE FATURAMENTO DURANTE A PANDEMIA.

Por g1 — Brasília

07/01/2022 07h56  Atualizado há uma hora

O presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente o projeto que previa a criação de um programa de renegociação de dívidas para microempreendedores individuais (MEIs), microempresas e empresas de pequeno porte enquadrados no Simples Nacional. O veto foi publicado no “Diário Oficial da União” nesta sexta-feira (7).

Bolsonaro justificou que a proposta incorre em vício de inconstitucionalidade e contrariedade ao interesse público, uma vez que, ao instituir o benefício fiscal, implicaria em renúncia de receita.

Câmara dos Deputados aprovou o projeto em dezembro. Vetos de presidente são analisados pelo Congresso, que tem o poder de derrubá-los. Se isso acontecer, o projeto vira lei.

O programa foi batizado de Renegociação em Longo Prazo de débitos para com a Fazenda Nacional ou devidos no âmbito do Simples Nacional (Relp). Pelo texto, o prazo para adesão se encerraria um mês após a sanção da proposta.

O projeto beneficiaria, inclusive, empresas que estivessem passando por recuperação judicial. Pela proposta, as empresas poderiam dar uma entrada em até oito vezes. O valor da entrada variava de acordo com a queda de faturamento dos empresários.

O prazo para pagamento das dívidas era de 180 meses após o pagamento da entrada. As parcelas teriam vencimento entre o último dia do mês seguinte à publicação da lei e o último dia do oitavo mês após a publicação.Micro e pequenas empresas reagem, depois de sofrerem muito com a pandemia

As condições mais vantajosas, segundo o texto, seriam oferecidas às empresas que registraram maiores quedas de faturamento, na comparação entre os anos de 2019 e 2020. Além disso, os valores das primeiras 36 prestações também seriam reduzidos.

Segundo o relator da matéria, deputado Marco Bertaiolli (PSD-SP), a reabertura do prazo de adesão ao programa iria “injetar, em período curto, recursos nos cofres públicos, decorrentes da adesão dos devedores”.

“Ao invés de impactar negativamente o orçamento público, o parcelamento dará ensejo a um aumento imediato da arrecadação. Na medida em que estabelece condições mais adequadas para a liquidação de débitos de difícil recuperação, a proposição tem o condão de possibilitar o ingresso imediato de recursos públicos, em especial diante da exigência do pagamento de entrada, ainda este ano, em algumas modalidades de extinção de débitos”, escreveu em seu parecer.

Fonte: https://g1.globo.com/politica/noticia/2022/01/07/bolsonaro-veta-renegociacao-de-dividas-para-meis-micro-e-pequenas-empresas.ghtml Por G1

Veja Também

LEI APERTA CERCO DE EMPRESAS QUE NÃO PAGAM ACORDOS... Empresas serão obrigadas a pagar acordos trabalhistas de natureza remuneratória. A lei 13.876/19, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro n...
Cinco situações em que RH e Contabilidade precisam... Profissional contábil exerce função estratégica nos negócios; uma das barreiras quebradas pela Contabilidade é a proximidade com a área de Recursos Hu...
Grandes decisões financeiras: é hora de abrir o pr... A crise vivida pelo Brasil tirou muita gente do mercado de trabalho formal e acabou estimulando o chamado empreendedorismo por necessidade. Diante das...
eSocial: o fim do jeitinho e do atraso Conforme o cronograma divulgado pela Receita Federal, a partir de abril as maiores empresas já terão que estar adaptadas à nova obrigação. Nada mais p...
Sem carnaval, quem trabalha na terça tem direito à... As folgas nas festividades são estabelecidas por tradição da comemoração da festa de momo É comum que, nos dias em que se realizam as festas de Ca...
Saiba o que muda no Simples Nacional em 2018 Ao final de 2016 foi aprovada no Congresso a Lei Complementar 155, que aumentou os benefícios do Simples Nacional. A principal novidade consiste na...

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta